Cultivar a felicidade faz bem ao coração

As recentes pesquisas indicam o que médicos há muito tempo constatam na prática. Cultivar a felicidade é o primeiro e mais importante passo para manter a saúde em dia, garante o diretor da unidade clínica de cardiogeriatria do Instituto do Coração, Maurício Wajngarten. "Não tenho dúvida: entre meus pacientes, os felizes têm saúde e recuperação bem melhor quando comparados aos pessimistas."Há duas explicações para isso. Para começar, a felicidade funciona como um antídoto contra o estresse e a depressão, que, por sua vez, favorecem o aparecimento de fatores de risco de problemas cardíacos. Além disso, a felicidade conta como ponto a mais na recuperação de possíveis problemas de saúde."As pessoas com esse perfil geralmente cuidam-se mais, estão mais dispostas a mudar alguns hábitos de vida, se isso for necessário", diz o médico. Já os deprimidos ou estressados acabam considerando as recomendações feitas no consultório como um problema a mais. "Até tomar remédio, para muitos, pode ser um sacrifício."Em seu livro Coração - Manual do Proprietário, Tudo o que você precisa para viver bem, Wajngarten enfatiza a necessidade de buscar boa qualidade de vida. "Todos temos períodos difíceis na vida. É por isso mesmo que precisamos canalizar parte de nosso dia para atividades que proporcionem prazer."Esses cuidados são importantes, mas não infalíveis. Temperamento e ambiente exercem influência na forma como a pessoa enfrenta a vida. "Mas todos podem fazer um esforço, investir no prazer pessoal."Wajngarten recomenda não pensar duas vezes em procurar um especialista, ao menor sinal de depressão. "Mais do que nunca, percebemos que todas as doenças começam pela nossa cabeça."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.