CTNBio vai avaliar área invadida da Monsanto

A Comissão Técnica Nacional de Biossegurança (CTNBio) deverá fazer, na próxima segunda-feira, uma avaliação da estação experimental da multinacional Monsanto em Não-Me-Toque (RS), onde foram destruídos dois hectares cultivados com soja e milho durante protesto contra transgênicos. A informação é do representante titular da área vegetal do Ministério da Agricultura na CTNBio, o agrônomo Paulo Borges.A lavoura da Monsanto também será visitada também por técnicos do Ministério da Agricultura, que farão, ao mesmo tempo, a fiscalização do local. Nos dias 6, 7 e 8 de fevereiro, quando está prevista reunião mensal da CTNBio, Borges espera apresentar relatório sobre a situação da propriedade. Segundo o agrônomo, foi o Ministério de Ciência e Tecnologia que solicitou o levantamento da lavoura. A CTNBio concede autorizações para experimentos transgênicos depois de avaliar os projetos de pesquisa apresentados. A comissão é formada por 18 membros titulares e 18 suplentes. Parte da lavoura cultivada pela Monsanto, que realiza pesquisas com organismos geneticamente modificados, foi destruída durante protesto de quatro grupos: o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA), Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) e Movimento das Mulheres Trabalhadoras Rurais (MMTR). A ação teve a participação do líder camponês José Bové, que participou do Fórum Social Mundial, realizado em Porto Alegre entre os dias 25 e 30 de janeiro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.