Cruzamento de informações contesta versão de petistas à CPI

Cruzamento feito pela CPI dos Sanguessugas entre telefonemas e imagens no hotel Íbis, em São Paulo, indica que petistas ligados à campanha do presidente Luiz Inácio Lula à reeleição sabiam das negociações para a compra de dossiê contra políticos tucanos. A conclusão da CPI contesta a versão dos depoimentos à comissão dos envolvidos no caso.Seis horas antes de Gedimar Passos e Valdebran Padilha serem presos com R$ 1,75 milhão, na madrugada de 15 de setembro, Hamilton Lacerda, ex-assessor do senador Aloizio Mercadante (PT-SP) e conhecido como o "homem da mala", estava no hotel e telefonou para Jorge Lorenzetti, churrasqueiro de Lula e ex-integrante da campanha presidencial. Hamilton Lacerda ligou para Lorenzetti à meia noite e 33 minutos do dia 15. Falou com ele durante um minuto e oito segundos. Pelas imagens das câmeras internas do hotel, à meia noite e 14 minutos, Hamilton entrou no elevador com Gedimar. Os dois subiram com uma pasta marrom e duas sacolas. A Polícia Federal suspeita que R$ 780 mil, parte em reais e outra parte em dólares, estavam dentro dessas sacolas. No dia 13, Hamilton teria levado R$ 1 milhão ao hotel, de acordo com as investigações da PF. Na ocasião, o ex-assessor de Mercadante também telefonou para Lorenzetti um minuto depois de deixar o hotel Íbis. "O cruzamento dessas imagens com os sigilos telefônicos põe por terra a tese do Hamilton de que ele não sabia do dinheiro", observou o sub-relator de sistematização da CPI, deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), que fez o levantamento das ligações com as imagens do hotel. À meia noite e 46 minutos, do dia 15 de setembro, Gedimar acompanha Hamilton até o elevador. Eles conversam um pouco e as sacolas não estão mais com eles. "Como ele (Hamilton) pode não ter visto o dinheiro, se estava no quarto com o Gedimar, que horas depois foi preso?", indagou Sampaio. "Além disso fica claro que o Lorenzetti sabia que o Hamilton estava com o Gedimar e o Valdebran", completou o tucano.Sampaio observou ainda que, pelo cruzamento das imagens do hotel com a quebra do sigilo telefônico, Expedito Veloso, ex-diretor do Banco do Brasil e responsável por verificar a autenticidade dos documentos do dossiê contra os tucanos, liga imediatamente para Lorenzetti logo depois de conversar ao telefone com Valdebran Padilha. No cruzamento, o tucano destacou ainda que às 7h23 do dia 15 o ex-segurança da Presidência da República Freud Godoy recebeu nove ligações de telefones do Palácio Planalto. "É um fato estranho para quem diz que não está envolvido", disse Carlos Sampaio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.