Cronologia

24 de junho de 2008O ministro Carlos Minc anuncia: "Acabou a moleza. Boi pirata vai virar churrasco do Fome Zero". Ele acabara de divulgar a apreensão de 3.100 cabeças de gado no Pará14 de julho de 2008Sob a batuta de Minc, é realizado o primeiro leilão dos "bois piratas". Não houve comprador. Nas semanas seguintes, seriam realizados outros dois leilões, também sem sucesso. A ideia inicial era arrecadar R$ 3,1 milhões. Minc chegou a relacionar o fracasso dos leilões a um suposto "boicote" dos pecuaristas à iniciativa do ministério de apreender o gado mantido em áreas de desmatamento27 de julho de 2008O Ibama multa o Grupo Bertin S/A em R$ 3 milhões, por "ter em depósito 10 mil estéreis de lenha nativa" sem a devida documentação. O auto foi lavrado na operação de fiscalização em Santana do Araguaia, no Pará16 de agosto de 2008Pela legislação, seria o último dia para o Bertin se defender da multa (20 dias após a autuação). O grupo não apresentou defesa28 de agosto de 2008No quarto leilão, o Meio Ambiente consegue vender 3.046 cabeças de "boi piratas". Divididos em sete lotes, foram arrematados em lance único pelo valor mínimo: R$ 1,2 milhão, 40% abaixo do valor estipulado no primeiro leilão. À época, o comprador não foi divulgado. Agora se sabe que foi o BertinMarço de 2009Fiscais do Ibama levam a um deputado a denúncia de que o Ministério do Meio Ambiente e o Ibama teriam aliviado a multa de R$ 3 milhões contra o Bertin para convencer o frigorífico a comprar os "bois piratas"23 de abril de 2009O auto de infração contra o Bertin vira processo. Até então, o documento não havia sido lançado no sistema do Ibama que controla multas

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.