Críticas de Serra valem para FHC e não para Lula, diz Garcia

O primeiro vice-presidente do PT, Marco Aurélio Garcia, rebateu nesta terça-feira o discurso de posse do governador de São Paulo, José Serra (PSDB), sobretudo o trecho em que o tucano fez duros ataques ao que classificou de estagnação econômica do País. "Eu acho lamentável que o chefe do cerimonial do governador tenha puxado da gaveta um discurso de oito anos atrás e obrigado ele (Serra) a ler lá em São Paulo", ironizou Garcia, em nota publicada no site oficial da legenda. Na avaliação do petista, as críticas de Serra valeriam para o governo do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e não para o de Lula. Ontem, durante solenidade de posse na Assembléia Legislativa e no Palácio dos Bandeirantes, na Capital, Serra disse que o Brasil vive um período de crise de valores. "Crise moral, que prospera numa economia onde faltam empregos e sobra a estagnação. Crise política que se alimenta da teimosa incoerência entre os discursos e as ações na vida pública." Para alguns setores do PSDB, o discurso foi uma prévia do que se pode esperar para as próximas eleições presidenciais (em 2010), onde o nome de Serra figura entre os principais de sua legenda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.