Críticas a Dilma são pessoais e minoritárias, diz Humberto Costa

Grupo petista ligado à Saúde mostrou preocupação com fragilidade da pré-candidata sobre o assunto

Rodrigo Alvares, do estadao.com.br,

22 de fevereiro de 2010 | 17h09

O ex-ministro da Saúde Humberto Costa (PT-PE) relativizou as críticas feitas à ministra Dilma Rousseff durante reunião reservada do grupo setorial do partido, na última sexta-feira, 19. De acordo com ele, são "opiniões pessoais e minoritárias dentro do partido". Costa entrou em contato com o estadao.com.br na tarde desta segunda-feira, 22, para falar sobre a reportagem que relata o encontro do grupo. Na reunião, que foi gravada, a pré-candidata do PT à Presidência foi alvo de diversas críticas. O grupo revelou temor pela fragilidade com que Dilma discute a Saúde e pela "vulnerabilidade" como o partido está entrando no debate eleitoral.

 

Veja também:

linkPetistas da Saúde temem confronto entre Dilma e Serra

linkDilma reforça defesa de Estado forte

linkDilma é para 2 mandatos, diz Lula

som Ouça a íntegra da entrevista

blog DIOGO SALLES: Quem te viu, quem te vê, PT

blog JOSÉ ROBERTO TOLEDO: Popularidade do presidente influencia eleição do sucessor?

 

 

De acordo com Humberto Costa, "aquela não foi uma reunião formal do setorial, não tinha caráter deliberativo". "Aquelas eram opiniões as mais pessoais, diversas e minoritárias possíveis dentro do partido", alegou. "A opinião do setorial é de que temos mais realizações do que o governo anterior", afirmou. A próxima reunião formal para discutir o plano de governo será em abril.

 

Questionado sobre as negociações a respeito do que seria discutido pelo partido durante o 4º Congresso Nacional do PT, Costa disse que o assessor especial da Presidência da República, Marco Aurélio Garcia, apresentou a proposta inicial. As emendas teriam sido apresentadas e discutidas na Comissão Executiva do partido.

 

Para justificar as críticas e temores dele e de outros integrantes do encontro em relação à candidatura de Dilma, Costa declarou que "essa é a eleição mais importante das nossas vidas. Pela primeira vez não teremos o presidente Lula como candidato", disse.

 

Segundo o ex-ministro, ele não tem o menor interesse em voltar ao comando da pasta: "Vou disputar o Senado ou a Câmara. Já fiz o que tinha de fazer no ministério da Saúde". Sobre o perfil ideal para o cargo em um eventual governo Dilma, Costa disse que "precisamos ter alguém que não dispute eleições". Indagado se os ministros José Temporão e Alexandre Padilha - que é sanitarista - teriam esse perfil, o petista concordou e ressaltou que "tem certeza de que Dilma será a próxima presidente do Brasil".

 

Dilma questionada

 

A capacidade administrativa da ministra na área foi muito questionada durante o encontro. "O José Temporão (ministro da Saúde) já ficou quatro horas conversando sobre saúde com a Dilma", disse um dos participantes. Nem o plano de governo foi poupado: "Acho que não preciso dizer para todo mundo aqui que isso que aprovaram há pouco não vale nada. Esse programa só vai ficar pronto mesmo lá por agosto. Esse encontro é para agradar a militância", avaliou outro dos participantes da reunião.

 

A distância entre o ministério e o partido é outro motivo de preocupação: "Precisamos marcar encontro com ela e com Lula. O presidente vai sair com essa dívida conosco? Como vamos fazer a discussão do setor da saúde com quem não é do PT se não reconhecemos nossos méritos?". "É essa discussão que temos de fazer, porque o Lula tá pouco se lixando para a gente (petistas)", disse uma filiada. "Acho que a Dilma não representa, nem de perto, o governo Lula."

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.