Dida Smapaio/Estadão
Dida Smapaio/Estadão

Crítica de Dilma a declaração de Levy foi 'alinhamento, diz Wagner

Ministro da Defesa comentou sobre episódio durante aula magna do Curso Superior de Defesa da Escola de Guerra Naval, no Rio

Luciana Nunes Leal, O Estado de S. Paulo

02 de março de 2015 | 14h14

Rio - O ministro da Defesa, Jaques Wagner, interlocutor frequente de Dilma Rousseff, disse nesta segunda-feira, 2, que a crítica feita pela presidente a uma declaração do ministro da Fazenda, Joaquim Levy, foi um "alinhamento". "Talvez a forma não estivesse alinhada. Ele (Levy) falou, ela (Dilma) trouxe a questão para o ponto de vista que é dela, mas não acho que tenha nenhuma desconfiança", afirmou o ministro, que esteve no Rio para a aula magna do Curso Superior de Defesa da Escola de Guerra Naval. 

"A presidenta é quem designa seus ministros, o que demonstra confiança na capacidade de conduzir. A forma como foi abordado o tema e consertado do ponto de vista dela (Dilma) é um direito dela, na medida que é presidenta da República. Não quer dizer necessariamente que seja uma descrença na capacidade do Levy. Eu pessoalmente acredito que ele tem capacidade de fazer. Esses balizamentos quem faz é a presidenta, em última análise, depois do debate", disse Levy em entrevista.

No sábado, 28, em viagem ao Uruguai, Dilma disse que Levy foi "infeliz" ao chamar de "grosseira" a desoneração da folha de pagamentos, medida adotada pela presidente em seu primeiro mandato. O ministro fez a declaração na sexta-feira, 27, durante anúncio do pacote de aumento de impostos e redução de benefícios a empresas. No dia seguinte, a presidente fez a primeira crítica pública a Levy, que assumiu há dois meses. 

Jaques Wagner lembrou o período em que foi ministro do Trabalho, no governo de Luiz Inácio Lula da Silva. "Vivi muito, com o presidente Lula. Sentavam os ministros da Casa Civil, da Fazenda, do Planejamento, eu, que era ministro do Trabalho, para discutir, por exemplo, salário mínimo. Ouvidas todas as partes, o presidente tomava decisão e havia um alinhamento", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.