Crítica ao MP é elogiada pela Aeronáutica e STM

A ordem do dia do comandante do Exército, general Gleuber Vieira, na qual critica critica duramente o Ministério Público, por ter entrado em uma casa do Exército e recolhido documentos relativos à atuação da Força na região do Araguaia, foi elogiada pela Aeronáutica e pelo Superior Tribunal Militar (STM). "Não posso entender a quem interessa desprestigiar uma instituição que é a última instância para manter a paz e a ordem", disse o comandante da Força Aérea, brigadeiro Carlos Baptista, lembrando as duas últimas convocações do Exército para restabeler a lei e a ordem na Bahia e em Tocantins. "Em um momento como este, em que o mundo global está inquieto, não precisa de marola. Precisa de uma onda serena para que o presidente da República e sua equipe possam concluir seu mandato", comentou o brigadeiro Baptista, que classificou como "insensatez" esse tipo de crítica dirigida ao Exército. O brigadeiro acha que é hora se deixar o passado para trás e "construir um Brasil do futuro". O presidente do STM, Olympio Pereira da Silva, que é um civil, fez questão de declarar seu apoio à Força e afirmou que "se tivesse espaço, assinaria embaixo porque a ordem do dia foi digna, oportuna e muito bem feita".O procurador da República Guilherme Schelb, um dos responsáveis pelo inquérito civil público que procura localizar os corpos dos desaparecidos na Guerrilha do Araguaia, disse que não tem nada contra o Exército. Pelo contrário. Segundo ele, o Ministério Público e o Exército têm uma mesma sintonia de objetivos: a legalidade, a defesa da ordem pública e do regime democrático. "Continuamos tratando o Exército com o mesmo respeito que sempre mereceu", disse.No entanto, segundo Schelb, os acontecimentos de Marabá, que levaram a Ministério Público a invadir uma casa para apreender documentos do Exército, foram autorizados pelo Judiciário. "A atuação do MP no caso da Guerrilha do Araguaia se faz por fins humanitários reconhecidos internacionalmente", disse. "Acontece que terceiros, não identificados, passaram a obstruir a ação do Ministério Público e nunca disseram ser militares; afirmavam que eram da imprensa", continuou. "A partir desse momento, o MP lançou mão dos instrumentos legais, com autorização judicial, para identificar essas pessoas e a razão de sua atuação na área", disse. Queixa - Além de criticar o MP, a mensagem do general Gleuber, subliminarmente, queixa-se do presidente da República, que não saiu em defesa da instituição, que, na avaliação do Exército, tem sido fortemente atacada. "O Palácio do Planalto não deveria se omitir diante dos ataques que estamos sofrendo", comentou um oficial-general. Mas houve alguns poucos militares que afirmaram que mandar esse tipo de recado em notas, apenas reacende as polêmicas. De acordo com oficiais consultados, a ordem do dia vale também para o Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST) que, conforme lembram, possuem seus orgãos de informações, mas condenam o Exército por ter os deles. Vale ainda para a Polícia Militar que deixar de cumprir seu papel e fez greve usando capuzes, serve aos governadores que não usaram sua autoridade para coibir esses movimentos e até a Polìcia Federal, que agiu em nome da Procuradoria para entrar em uma casa do Exército e recolher documentos.Fazendo alusão a imagem do Patrono do Exército, Duque de Caxias, a ordem do dia diz que para o soldado "custa ver os valores que você preserva, constante e irresponsavelmente apresentados como apanágio de alguns cidadãos que falsamente se arrogam progressistas, patriotas e desprendidos, mas que, em verdade, comercializam e barganham ardilosas e escusas prentensões". Segundo a nota esses cidadãos "acobertam-se em conveniências pessoais, escondidos em títulos, valendo-se até da investidura da autoridade que exercem". E acrescenta: "custa ser Caxias, quando presenciamos nossa instituição, responsável constitucionalmente pela garantia da lei e da ordem, ser atingida pelos que têm o dever de fiscalizar o cumprimento dos preceitos legais, sob a busca insensata dos efeitos da mídia". Para tentar reverter os ataques que vêm sofrendo, o Exército vem investindo na sua participação em programas de televisão. Depois de ter participado do programa Caldeirão do Huck, da TV Globo, que homenageou o Batalhão de Cavalaria de Guardas, que faz a segurança dos palácios presidenciais, na sexta-feira a Força Terrestre participou do Programa da Ana Maria Braga e está marcando para comparecer ao Faustão e Silvio Santos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.