Crítica à CSS dá a tônica em evento da indústria em SP

A crítica contundente à tentativa de recriação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) foi a tônica da abertura do Congresso da Indústria 2008, que ocorre hoje na capital paulista e conta com a presença de mais de 3 mil empresários, políticos e autoridades governamentais, dentre elas o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles.O presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, anfitrião do evento, voltou a tachar a Contribuição Social para a Saúde (CSS) de "imposto contra o seu salário". Ele reiterou o movimento que será feito pelo setor empresarial na tentativa de derrubar essa contribuição no Senado Federal. "Temos hoje, aqui, mais de 3 mil empresários para iniciar a cruzada de mobilização da sociedade e de prática da cidadania para que o Senado Federal diga ''não'' a este tributo", defendeu.O governador em exercício de São Paulo, Alberto Goldman, que substitui José Serra, que viaja ao exterior, também não poupou a Câmara dos Deputados de críticas por conta da aprovação da CSS. "Não houve bom senso entre aprovar uma taxa quando se discute a reformulação de uma reforma tributária. Ninguém é contra o aumento de recursos para a área da saúde, mas não foi um momento adequado (de aprovação), porque tira o foco dessa reforma", destacou. Assim como o presidente da Fiesp, Alberto Goldman também acredita que o Senado Federal irá vetar o novo imposto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.