Cristovam pede que Sarney repreenda Lula por 'pizzaiolo'

Indagado sobre resultados da CPI da Petrobras, presidente Lula disse ver no Senado 'bons pizzaiolos'

ROSANA DE CASSIA, Agencia Estado

17 de julho de 2009 | 10h17

Depois do discurso do presidente do Senado, José Sarney (PMDB-AP), o senador Cristovam Buarque (PDT-DF) sugeriu que fosse encaminhado o relatório das atividades do primeiro semestre da Casa para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que chamou os senadores de "bons pizzaiolos". "Eu creio que alguém precisa dizer ao presidente Lula que ele não pode falar sobre o Congresso dessa maneira. Ninguém melhor, a meu ver, que o presidente do próprio Congresso", disse. Sarney afirmou que vai encaminhar o relatório a Lula com as observações do senador.

 

Veja Também:

link Indignados com 'pizzaiolo', senadores repudiam Lula em carta

especialESPECIAL MULTIMÍDIA: Entenda os atos secretos e confira as análises

trailer Galeria: vista aérea da casa particular de José Sarney na Península dos Ministros 

lista Confira a lista dos 663 atos secretos do Senado

lista O ESTADO DE S. PAULO: Senado acumula mais de 300 atos secretos

lista O ESTADO DE S. PAULO: Neto de Sarney agencia crédito no Senado 

"Existem palavras infelizes sem consequência. Essa tem consequência: minar a opinião pública contra o Congresso, em um momento em que o Congresso não está tão prestigiado assim." A declaração de Lula foi feita na quarta-feira, ao ser questionado sobre os argumentos da oposição de que a Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Petrobras poderia acabar em pizza.

 

Indignados com a declaração do presidente Lula, de que eram ''bons pizzaiolos", os senadores redigiram ontem um documento suprapartidiário de repúdio e que precisa ser votada em plenário. A informação é dos senadores Demóstenes Torres (DEM-GO) e Buarque.

 

O voto de censura, no entanto, não tem implicação prática contra o presidente. "Tem um impacto moral e histórico, porque daqui a 50 anos, vão mostrar que os senadores não ficaram calados com esta declaração. De prático, não tem nada", explicou Buarque ao estadao.com.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.