Cristovam é condenado por propaganda ilegal

O ex-governador do Distrito Federal Cristovam Buarque (PT) foi condenado nesta quarta-feira em primeira instância pela Justiça do Distrito Federal e tornou-se inelegível pelo período de oito anos. A sentença contra Cristovam foi expedida pela 3ª Vara da Fazenda Pública do DF, que considerou ilegal toda a propaganda realizada em seu governo, entre 1995 e 1998. O ex-governador classificou a sentença de "aberração jurídica" e disse nesta quinta-feira que vai recorrer. A condenação baseou-se em três ações populares em que Cristovam Buarque é acusado de usar dinheiro público para promoção pessoal. O programa Fala Governador, em que constava o nome do ex-governador petista, um anúncio do Bolsa-Escola, em que seu nome aparecia como criador do programa educacional, e o slogan Governo Democrático e Popular foram os motivos da condenação. A ação inicial foi impetrada em 1997 pelo advogado Paulo Goyaz. Cristovam é alvo de outras ações na Justiça do DF desde 1999, após deixar o governo. No final daquele ano, o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) o declarou inelegível por três anos. O ex-governador foi acusado de abuso de autoridade e uso indevido de propaganda de governo em favor de sua campanha à reeleição, sendo condenado a pagar multa de R$ 21 mil. Ele recorreu e foi anistiado da multa imposta pelo TRE. "Como não há nenhuma acusação de corrupção no meu governo, vão ficar procurando esse tipo de coisa", declarou nesta quinta-feira Cristovam.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.