Cristovam Buarque diz ser 'vergonha' PDT ter votado pela terceirização

O senador Cristovam Buarque (PDT-DF) disse neste sábado, 11, no Twitter ser uma "vergonha" o PDT ter votado na Câmara a favor do projeto da terceirização. O projeto de lei (PL 4330/04) teve seu texto base aprovado na Câmara na quarta-feira, 8. O texto opõe sindicalistas, que afirmam que a lei vai prejudicar os trabalhadores, e empresários, que dizem que a lei ampliará a oferta de empregos. A principal crítica dos sindicalistas é a abertura à terceirização de atividades-fim.

ANA FERNANDES, Estadão Conteúdo

11 Abril 2015 | 14h37

Buarque respondeu a mensagens de alguns usuários na manhã de hoje. O usuário @evaldodesousa tuitou: "E o PDT votando contra os trabalhadores.; #Terceirização". Ao que o senador respondeu: "Vergonha". Dos 18 deputados do partido que votaram na quarta-feira, apenas cinco foram contrários ao texto base do projeto de lei: Damião Feliciano (PB), Marcelo Matos (RJ), Marcos Rogério (RO), Subtenente Gonzaga (MG) e Wolney Queiroz (PE).

As trocas de mensagens no Twitter começaram a partir do tuíte do usuário @prosaique, que elogiou a postura de Buarque e de José Antonio Reguffe (DF) de defenderem a saída do PDT do governo. Cristovam Buarque respondeu: "Os outros 4 senadores também querem. Falta Lupi" - em referência ao presidente nacional da legenda, Carlos Lupi.

O senador, que foi ministro da Educação no início do primeiro governo Lula, disse que já alertava que o PDT corria riscos ao compor o governo desde 2006 (primeiro ano do segundo mandato de Lula). "Quando em 2006 PDT entrou no governo Lula, avisei que tomávamos veneno histórico, oito anos depois PDT sente os efeitos", disse Buarque em outra mensagem publicada neste sábado. Nas trocas com outros usuários admitiu que "todo partido é balaio de gato", mas que o "problema é ser balaio na garupa do PMDB/PT".

Cristovam Buarque tem feito críticas abertas ao governo. Em março, disse que a presidente Dilma Rousseff "está de joelhos diante de um grupo que comanda o Congresso" enquanto a oposição "se diverte". Na ocasião, disse que está claro que não houve apenas uma "escorregadela" do governo na condução da economia, mas uma sequência de erros graves, envolvendo tarifas, desonerações, "descuido com a poupança" e "má gestão da infraestrutura".

Nas postagens no Twitter na manhã deste sábado, Cristovam foi questionado também sobre sua principal área de atuação política, a educação, e sobre um encontro com o novo ministro Renato Janine Ribeiro. "Muito bom. Vi ministro que sabe, falta Presidente que queira", comentou sobre Janine. "Pátria Educadora é a nação cuja sociedade valoriza educação e seu governo encarna esta vontade nacional. Não somos Pátria Educadora nem para a sociedade nem para o governo", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.