Cristina Kirchner visita o País como 'amiga de Lula'

Favorita nas pesquisas, candidata à Presidência não terá 'apoio explícito' do Brasil, diz assessor brasileiro

Denize Bacoccina, da BBC, BBC Brasil

03 de outubro de 2007 | 07h35

A senadora argentina Cristina Kirchner, primeira-dama do país e candidata a presidente, faz nesta quarta-feira, 3, uma visita ao Brasil, a menos de quatro semanas da eleição, para um almoço com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva e um encontro com empresários. "Ela vem como senadora, candidata e amiga do presidente", disse o assessor especial para Assuntos Internacionais da Presidência, Marco Aurélio Garcia.   Veja também: Conheça os candidatos à Presidência argentina  Principais propostas dos candidatos   Cristina chega a Brasília por volta do meio-dia e segue direto para um almoço com o presidente Lula no Palácio da Alvorada. Depois, no meio da tarde, se encontra no Itamaraty com executivos de grandes empresas brasileiras, como Petrobras e Camargo Correa.   Garcia disse que o presidente Lula não vai apoiar explicitamente a candidata, favorita nas pesquisas de opinião, porque "o Brasil não se mete na eleição de outros países", mas afirmou que "o presidente tem uma enorme simpatia por ela".   Os dois se conheceram em 2002, durante a campanha de Néstor Kirchner à Presidência, quando o casal veio ao Brasil, e desde então já se encontraram várias vezes em visitas bilaterais e reuniões multilaterais.   "Não vai ter nada explícito, cada um interpreta como quiser", afirmou, sobre o apoio de Lula a Cristina. "Considerando a relação do presidente Lula com o presidente (Néstor) Kirchner, seria até estranho que ele não recebesse a senadora. Ainda mais que ela é uma candidata forte", disse. "O Brasil tem uma relação muito importante com a Argentina, buscando sempre um equilíbrio na América do Sul."   Pesquisas   Cristina Kirchner, candidata da Frente para a Vitória, é a favorita em todas as pesquisas de intenção de voto para a eleição do dia 28. A dúvida entre os analistas é se ela vence já no primeiro turno, por causa do ainda elevado número de indecisos.   Neste fim de semana, uma pesquisa publicada pelo jornal argentino La Nación mostra que Cristina tem 39,8% das intenções de voto. A segunda colocada, a candidata Elisa Carrió, da Coalición Civica, aparece com 11,7%.   Em outra pesquisa, publicada pelo jornal Perfil, Cristina aparece com 37,8% dos votos válidos, e Carrió, com 18,7%.   Para vencer no primeiro turno, é preciso ter mais de 45% dos votos, ou mais de 40% com uma diferença mínima de 10 pontos percentuais em relação ao segundo colocado.   Cristina visitou vários países durante a campanha. Nas últimas semanas, ela foi à Espanha, Áustria, Alemanha e México e na semana passada acompanhou o presidente Kirchner na Assembléia Geral da ONU em Nova York e fez uma palestra para empresários e investidores na cidade.

Tudo o que sabemos sobre:
KirchnerLula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.