Andre Dusek/Estadão - 20.02.2015
Andre Dusek/Estadão - 20.02.2015

Crise política obriga Dilma a negociar ajuste fiscal com presidente da Câmara

Para tentar aprovar as medidas e pressionada por 'pauta negativa' no Congresso, presidente vai chamar Eduardo Cunha (PMDB) para conversar; petista pretende também iniciar reaproximação com Temer, que vive isolamento no governo

VERA ROSA, O Estado de S.Paulo

23 Fevereiro 2015 | 02h03

BRASÍLIA - A presidente Dilma Rousseff entrará pessoalmente na articulação para tentar aprovar as medidas de ajuste fiscal no Congresso. Pressionada por dificuldades na política, à espera da CPI da Petrobrás e com a economia em apuros, Dilma decidiu abrir diálogo com o presidente da Câmara, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), e vai chamá-lo para uma conversa, nos próximos dias.

O aceno para a trégua com Cunha, desafeto do Planalto, também será a senha para Dilma se reaproximar do vice-presidente Michel Temer, afastado das decisões do núcleo político.

A cruzada para salvar o governo de outro vexame no Congresso inclui o titular da Fazenda, Joaquim Levy, e o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que chegará a Brasília na quarta-feira, além de vários outros ministros.

Levy participará hoje de jantar com Temer, Cunha, o presidente do Senado, Renan Calheiros, ministros do PMDB e a cúpula do partido, no Palácio do Jaburu.

O ministro explicará ao PMDB a necessidade de medidas impopulares, como corte de subsídios, redução de incentivos e mudanças nos benefícios previdenciários e trabalhistas, para a economia voltar a crescer. O PMDB ameaça, por exemplo, derrubar o veto da presidente à correção de 6,5% na tabela do Imposto de Renda, que entrará amanhã na pauta de votações.

Dilma enviará outra medida provisória ao Congresso, propondo reajuste de 4,5%. "Queremos saber do ministro da Fazenda o tamanho dessa crise econômica e verificar se há margem de negociação", disse o líder do PMDB no Senado, Eunício Oliveira (CE).

Foi Lula quem aconselhou Dilma a ouvir o PMDB, negociar com Cunha e a matar "dois coelhos com uma só cajadada", fazendo com que o armistício seja pelas mãos de Temer.

O vice-presidente está isolado e não participa das reuniões do chamado G-6, grupo composto por seis ministros do PT que semanalmente se reúne com Dilma para avaliar as estratégias do governo. A presidente quer fazer um gesto pedindo ajuda de Temer para enfrentar a crise.

Lista de Janot. Na semana em que o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, promete enviar ao Supremo Tribunal Federal pedido de investigação de políticos citados pela Operação Lava Jato no esquema de corrupção na Petrobrás, Lula desembarcará em Brasília disposto a articular a defesa do governo e do PT. Na quarta-feira, véspera da instalação da CPI da Petrobrás, Lula jantará com senadores petistas. Além disso, pretende se reunir com Temer, Renan e Eunício.

O governo está preocupado com a "lista de Janot", que deve atingir deputados e senadores de partidos da base aliada, como PT, PMDB e PP, mas tenta desviar o foco, apontando o dedo para a oposição. Na sexta-feira, Dilma seguiu a estratégia combinada com seu núcleo duro e disse que a corrupção na estatal foi ignorada no governo Fernando Henrique Cardoso, do PSDB. O ex-presidente reagiu, afirmando que ela lançara mão de uma tática "infamante".

"Nós vamos entrar na guerra contra os que tentam nos empurrar para o corner", disse Jorge Viana (PT-AC), vice-presidente do Senado que será anfitrião do jantar com Lula.

Na tentativa de criar uma "agenda positiva", Dilma anunciará, na quinta-feira, novas regras para o regime Simples. Depois virão o pacote anticorrupção, o Plano Brasil Exportador, a terceira etapa do Minha Casa Minha Vida e o Mais Especialidades. Tudo acompanhado por mais viagens e entrevistas. No diagnóstico de Lula, Dilma só vai superar a turbulência com a tática "olho no olho".

Mais conteúdo sobre:
Dilma RousseffCongresso

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.