Crise no Ministério dos Transportes racha o PR

Bancadas da Câmara e do Senado divergem sobre qual postura adotar em relação à substituição do ministro dos Transportes

Andrea Jubé Vianna, da Agência Estado

12 de julho de 2011 | 17h31

BRASÍLIA - A insatisfação dos deputados do PR com a efetivação de Paulo Sérgio Passos no Ministério dos Transportes não é compartilhada pelos senadores da legenda. Enquanto a bancada da Câmara não esconde o descontentamento com a condução do escândalo pelo Planalto, os senadores avaliam que o saldo final do episódio será positivo para o partido. "Recebemos um tratamento diferenciado", desabafou o vice-líder do governo, deputado Luciano Castro (PR-RR).

Castro - que não compareceu ao almoço dos líderes da base aliada na casa do líder do PT, Paulo Teixeira (SP) - comparou a rápida demissão do ministro Alfredo Nascimento (PR-AM) da pasta dos Transportes às intensas articulações conduzidas pelo PT e pelo próprio Planalto para tentar preservar o ex-ministro Antonio Palocci (PT) na chefia da Casa Civil. Para Castro, o governo poderia ter dado mais oportunidades para Nascimento se explicar.

Além disso, Castro lembrou que o Planalto ouviu o PT, e até o PMDB, antes de escolher o sucessor de Palocci. No caso dos Transportes, o governo anunciou que se reuniria com lideranças do PR nesta semana para avaliar em conjunto um substituto para Nascimento. No entanto, a presidente Dilma Rousseff se antecipou e anunciou a efetivação de Pedro Passos no cargo. "A decisão sobre o preenchimento do cargo é dela, é uma escolha pessoal dela, nós respeitamos", declarou Castro, sem esconder o desapontamento.

No Senado, entretanto, a leitura do episódio pelos parlamentares da sigla é outra. Um senador do PR afirmou que "o saldo final será positivo ao partido". Para este senador, manter Nascimento no cargo por mais tempo agravaria o desgaste do ex-ministro, com reflexos diretos na imagem do partido. E na avaliação deste senador, Dilma agiu rápido para estancar o escândalo e preservar a imagem do governo, porque já aprendeu com as crises anteriores.

Em contrapartida, os senadores do PR avaliam que não tiveram prejuízos com o episódio. A bancada apoiou a indicação de Pedro Passos para suceder a Nascimento (que era indicado pelo PR do Senado). Além disso, garantiu a indicação dos novos titulares do Departamento Nacional de Infraestrutura Terrestre (Dnit), no lugar de Luiz Antonio Pagot, e da Valec Engenharia, Construções e Ferrovias, no lugar de José Francisco das Neves, o Juquinha. Os nomes dos substitutos de Pagot e Juquinha serão indicados pelos senadores do PR.

Tudo o que sabemos sobre:
TransportescrisePR

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.