Crise freia boom econômico do Brasil, diz 'Washington Post'

Jornal americano diz que Lula vai para o G20 com autoridade 'para criticar EUA'.

Da BBC Brasil, BBC

14 de novembro de 2008 | 08h24

O dinamismo "que impulsionou o Brasil para o cenário internacional nos últimos anos chocou-se contra duras realidades econômicas", disse a edição desta sexta-feira do jornal americano Washington Post.A desintegração financeira que começou nos Estados Unidos "derrubou o mercado de ações, abateu os preços de commodities, enfraqueceu a moeda local e reduziu o crédito, levando a uma suspensão de projetos de grande escala privados e públicos na 10ª maior economia do mundo", de acordo com o diário.Apesar das perspectivas sombrias, o Washington Post explica que "os US$ 200 bilhões que o Brasil acumulou em reservas em moeda estrangeira, aliados a políticas econômicas prudentes, fazem com que o país esteja melhor preparado do que muitas economias emergentes para resistir à tormenta financeira".O jornal indica que isso deu cacife político ao Brasil. O artigo diz que, na opinião de analistas americanos, a credibilidade econômica que o Brasil conquistou "vai tornar o presidente Luiz Inácio Lula da Silva mais ousado quando ele se juntar ao presidente (George W.) Bush e a outros líderes mundiais em Washington neste fim-de-semana para discutir soluções para a crise"."Os brasileiros reagiram ao novo prognóstico econômico com um misto de desespero e irritação, principalmente porque a crise que os está afetando teve origem em instituições financeiras dos Estados Unidos", de acordo com o Washington Post."Com suas credenciais econômicas rendendo-lhe elogios de empresários, Lula está em posição de repreender os americanos por não terem realizado reformas que poderiam ter impedido a crise", afirmou o jornal.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
economiareservascrise econômica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.