Crise entre PSDB e PFL pode ajudar PT, diz Mercadante

O candidato a governador pelo PT, Aloizio Mercadante, avaliou nesta quinta-feira, em Campinas, que a crise entre o PFL e o PSDB pode trazer benefícios para o seu partido nas eleições. "É natural da política", apontou. Disse que "as divergências são muito profundas no interior da coligação. As críticas, as tensões são muito grandes", apontou.Mercadante comentou que as dificuldades de emplacar a candidatura de Geraldo Alckmin (PSDB) à Presidência causam problemas para os candidatos do Legislativo, o que aumenta a tensão. "A candidatura do Alckmin enfrenta muita dificuldade. Os parlamentares acham que vão ter dificuldade em se reeleger e isso deve ir aumentando a tensão", alegou.O candidato se disse otimista com a pesquisa que aponta a reeleição do presidente Luiz Inácio Lula da silva no primeiro turno, apesar da crise enfrentada pelo PT. "Acho que o segundo governo Lula vai ser muito melhor que o primeiro. Nós estamos melhor preparados, vamos errar menos", argumentou.Segurança públicaA onda de violência em São Paulo, conforme Mercadante, "fraturou" a imagem do PSDB e trará "prejuízo" ao partido. Embora tenha preferido não comentar o cenário eleitoral paulista, por não conhecer "nenhuma pesquisa estadual até o momento", analisou que "a crise é muito grave para a imagem do PSDB". Acusou o governo estadual pela "precariedade da política de segurança pública, especialmente da política penitenciária". "Não é exclusiva, mas a responsabilidade primeira e maior é do Estado." Também acusou o governo estadual de "construir mais prisão que casa popular".O candidato defendeu que "a população vai votar pela mudança na segurança pública" e disse que seu adversário, José Serra (PSDB), não "tem motivação para ser candidato ao governo de São Paulo. Ele queria mesmo era mesmo era ser candidato a presidente da república".Disse que Serra "está com problema de amnésia", comentando a declaração do tucano de que o governo Lula não fez nada para a segurança. "Nenhuma cela foi construída nos oito anos de Fernando Henrique Cardoso", argumentou, acrescentando que governo Lula irá entregar mil novas vagas a partir de junho."É evidente que o governo pode fazer mais, mas começou a fazer o que o governo anterior não fez", provocou. Também negou falta de empenho da Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) na questão do bloqueio dos celulares. "A tecnologia de bloquear celular existe e pode ser restrita aos presídios. Você não pode desligar a antena de uma cidade como estão fazendo as empresas."AliançasMercadante avaliou que o PMDB deve ter candidatura própria em São Paulo. "Mas estão aguardando a definição da convenção. Se tiver uma aliança nacional, estarão conosco em São Paulo. Caso contrário, sairão com candidatura própria."O PT está concluindo a aliança com o PCdoB, "aliado histórico e estratégico", conforme o candidato. Comentou que a bancada federal do PL demonstrou uma "grande" disposição de aliança com o PT em São Paulo e disse que o partido está dialogando com PSB, mas ainda não tem uma definição. "Nós queremos trabalhar nessa aproximação."Perguntado sobre o vice de sua preferência, brincou: "Se você tiver um bom nome, pode indicar." Disse que tem "vários nomes que gostaria, mas isso a gente constrói junto com os aliados". Mercadante se reuniu com o prefeito de Campinas, Hélio de Oliveira Santos (PDT) de manhã, para discutir projetos da cidade. Almoçou com lideranças do partido da região e seguiu para Araraquara, onde estava prevista uma palestra à noite.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.