Crise aérea é ´problema de gestão´, diz Pires no Senado

O ministro da Defesa, Waldir Pires, reafirmounesta quinta-feira, 12, em depoimento no Senado, que a crise aérea no Brasil é decorrente de um problema de gestão. "É uma crise de gestão vinculada a recursos humanos, circunstâncias e equipamentos. É uma crise assentada na inexistência de controladores", afirmou o ministro, em audiência pública na sessão conjunta das comissões de Relações Exteriores e Fiscalização e Controle.Apesar de admitir a existência de problemas no setor, o ministro ressaltou que o Brasil é um dos melhores, quando se fala em padrões de segurança e que tem baixos índices de acidentes. Pires afirmou que o governo tem confiança de que no menor prazo possível "estaremos todos absolutamente tranqüilos". "As dificuldades não são oriundas de um ato ou fato, mas percebidas a partir de um acidente", disse o ministro, referindo-se ao acidente aéreo da Gol, em setembro do ano passado. Segundo Pires, o acidente aéreo que provocou a morte de 154 pessoas, revelou conflito de entendimentos.O ministro da Defesa, a exemplo do depoimento na Câmara, na última quarta-feira, 11, voltou a afirmar que a competência no controle aéreo do país é da Aeronáutica. Além de Pires prestam depoimento, nesta quinta, o comandante da Aeronáutica, Juniti Saito, o presidente da Infraero, José Carlos Pereira, o presidente da Anac, Milton Zuanazzi, o presidente do Sindicato Nacional dos Trabalhadores de Proteção ao Vôo, Jorge Botelho e o diretor do Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor do Ministério da Justiça, Ricardo Morishita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.