Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90
Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Crime na Lava Jato é 'no atacado', diz ministro Marco Aurélio Mello

Ministro do Supremo lembrou o julgamento do mensalão e disse que o caso era um 'crime no varejo' em comparação com o escândalo na Petrobrás

BEATRIZ BULLA, O Estado de S. Paulo

03 de agosto de 2015 | 15h53

Brasília - O ministro Marco Aurélio Mello, do Supremo Tribunal Federal (STF), disse que, na Operação Lava Jato, o crime é cometido no "atacado" e sugeriu que no mensalão os atos eram "no varejo". "Quando eu tomei posse em 2006 no Tribunal Superior Eleitoral eu fiz um discurso que foi considerado muito ácido. Mas foi um discurso leve. Eu falei que (o mensalão) era o maior escândalo da República. Hoje nós temos aí esse que envolve o crime no atacado, não mais no varejo", disse o ministro, ao chegar para sessão da Corte e comentar a deflagração da 17ª fase da Lava Jato.

Questionado sobre a prisão do ex-ministro José Dirceu nesta manhã no âmbito das investigações sobre o esquema de corrupção na Petrobrás, Marco Aurélio afirmou que o importante é que as instituições, como Polícia Federal, Ministério Público e Judiciário estão funcionando. "De tédio não se morre. O importante é as instituições estão funcionando. A quadra ao meu ver é alvissareira, porque não se esconde mais essas mazelas. (...) Vamos buscar novos rumos, melhores dias para o Brasil", disse.

De acordo com o ministro, não é necessária uma autorização do Supremo para realizar a prisão preventiva de Dirceu, somente para permitir sua transferência de Brasília para Curitiba. "Independe (de autorização do STF para realizar prisão preventiva), porque o competente para julgá-lo, hoje, é o juiz de primeira instância. O único problema que surge é o deslocamento de Brasília, onde ele cumpre a prisão domiciliar, para o Paraná", completou o ministro.

A transferência de Dirceu precisa ser autorizada pelo ministro Luís Roberto Barroso, relator das execuções penais do mensalão no STF. No início da tarde, antes da sessão plenária, Barroso afirmou que decidirá o caso ainda nesta segunda-feira, 3. A defesa do ex-ministro encaminhou ao STF pedido para que Dirceu permaneça em Brasília.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.