Crianças e adolescentes ameaçados terão programa de proteção

Jovens sob ameaça de traficantes, de grupos de extermínio ou de exploradores sexuais poderão pedir ajuda ao Programa de Proteção de Crianças e Adolescentes Ameaçados de Morte, lançado nesta quarta-feira pelo governo federal. A exemplo do programa de proteção a testemunhas, os jovens poderão até ser transferidos da cidade onde moram. E, em determinados casos, a remoção se dará em companhia de toda a família. Eles contarão ainda com apoio psicossocial e projetos de reinserção social e escolar.Até o fim do ano, o governo pretende atender 250 jovens, nos centros a serem montados em São Paulo, Rio de Janeiro, Bahia, Pernambuco e Pará. Deste total, 100 vagas serão abertas em São Paulo, conforme convênio assinado entre o secretário especial dos Direitos Humanos, Nilmário Miranda, e o vice-prefeito paulista, Hélio Bicudo. O programa também prevê proteção a jovens na faixa entre 12 a 21 anos incompletos, saídos de centros de reabilitação ou cumprindo medidas socioeducativas, também ameaçados de morte.Segundo Bicudo, os jovens que cometem pequenos delitos são os principais alvos dos grupos de extermínio, formados basicamente por policiais militares e civis. Nilmário Miranda disse que há grupos de extermínio em 14 Estados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.