Criança indígena morre em Manaus sem conseguir atendimento

Menina de um ano e quatro meses esperava na Casa de Saúde do Índio ser atendida em hospital de Manaus

Liege Albuquerque, do Estadão,

27 de julho de 2007 | 19h31

Uma menina de um ano e quatro meses da etnia ticuna morreu de hidrocefalia no último domingo na Casa de Saúde do Índio (Casai). A mãe da criança embarcou nesta sexta-feira, 27, com o corpo da filha para São Paulo de Olivença, a 899 quilômetros de Manaus.   A Casai foi criada há 12 anos para ser uma casa de passagem de indígenas do interior do Estado que chegam à capital em busca de tratamento médico especializado. Mas, segundo denúncia do Conselho Indigenista Missionário (Cimi), já houve casos de pessoas que permaneceram na Casai até um ano e meio à espera de atendimento em hospitais de Manaus.   Segundo uma funcionária da Casai que não quis se identificar, há outras cinco crianças indígenas com hidrocefalia esperando o tratamento no local. As crianças correm risco de morte, segundo a fonte com base em depoimentos de enfermeiras do local, e nenhuma está na Casai há menos de um mês.   A funcionária afirmou ainda que há hoje 42 indígenas no local à espera de tratamento, a maioria crianças. O que está há menos tempo, segundo a fonte, é um garoto de 13 anos que chegou há três semanas de São Gabriel da Cachoeira, a 858 quilômetros de Manaus, com hepatite.   "Infelizmente é uma história antiga de falta de vontade política em possibilitar o tratamento dos indígenas, que na maioria das vezes já chegam em estado grave por falta de comunicação e tratamento básico nas aldeias do interior", afirmou um dos coordenadores do Cimi, Haroldo Pinto.   "O fato é que a da Fundação Nacional de Saúde Indígena (Funasa) joga a responsabilidade do tratamento para as ONGs e elas vivem na reclamação de que a verba não é suficiente, que demora ou outras desculpas. Quem sofre e chega já em situação de emergência para tratamento na capital é o lado mais fraco, o indígena".   A funcionária da Casai diz que há "descaso" na Funasa com os indígenas. Cabe à Funasa buscar o Sistema Único de Saúde (SUS) para encaminhar o tratamento ou cirurgia. Segundo a fonte, há apenas enfermeiras para os primeiros-socorros na Casai e nenhum médico. A assessoria da Funasa e o coordenador regional Francisco Aires foram procurados durante o dia pela reportagem, mas não retornaram os telefonemas.

Tudo o que sabemos sobre:
ÍndiosCasa de Saúde do Índio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.