Criança de 12 anos baleada está entre feridos em conflito entre índios e fazendeiros no MS

Com pelo menos um tiro na barriga, Josiel Benites foi socorrido e encaminhado para o Hospital da Vida, em Dourados

André Borges, O Estado de S.Paulo

14 de junho de 2016 | 19h15

BRASÍLIA - O menino indígena Josiel Benites, de apenas 12 anos, é um dos índios que foram baleados nesta terça-feira, 14, durante um conflito sangrento deflagrado por fazendeiros na região de Caarapó, no Mato Grosso do Sul. 

Com pelo menos um tiro na barriga, Josiel Benites foi socorrido e encaminhado para o Hospital da Vida, no município vizinho de Dourados. Além do menino guarani kaiowá, pelo menos mais três vítimas estão em estado grave: Nurivaldo Mendes, 37 anos, com tiros no tórax e abdômen; Lipércio Marques Daniel, 42 anos, com tiros na cabeça, tórax e abdômen; e uma última pessoa identificada apenas como Jesus, de 29anos, com um tiro na barriga.

Procurado, o Hospital da Vida não deu mais informações sobre o quadro de saúde dos feridos. O conflito resultou na morte do agente de saúde indígena, Cloudione Rodrigues Souza, de 26 anos.

O clima na região é de extrema tensão. Informações do Conselho Indigenista Missionário (Cimi) dão conta de que o número de feridos poder ser maior, porque os indígenas se dispersaram pelo território, em fuga, com a chegada de cerca de caminhonetes, motocicletas, cavalos e trator usados por pistoleiros, capangas e homens que chegaram atirando contra o acampamento em que os índios estavam. Trata-se da Fazenda Yvu, que está em terra indígena e atualmente é alvo de processo de demarcação pelo Ministério da Justiça (MJ).

Segundo o Cimi, em filmagens feitas pelos próprios índios, é possível ver uma centena de homens armados, queimando motos e demais posses dos indígenas. "A maioria dos indivíduos está vestida com um uniforme preto; nas filmagens, é possível ouvir gritos de: 'Bugres! Bugres!', forma pejorativa usada para se referir aos indígenas na região sul do País", informou o órgão. 

O ataque foi uma resposta à retomada realizada pelos indígenas de Tey'i Kue na Fazenda Yvu, vizinha à reserva. No último domingo, 12, um grupo de 100 famílias reocupou o território chamado de tekoha Toropaso, onde incide a Fazenda Yvu. 

Em maio, os indígenas estiveram em Brasília, pressionando pela publicação do relatório da terra indígena Dourados-Amambai Peguá. Sob pressão, a Funai assinou o relatório. Dessa forma, a demarcação da terra indígena teria prosseguimento. Em nota, o Conselho Indigenista Missionário categorizou como "paramiltar" a ação, e afirma que, no último semestre, foram registrados ao menos 25 casos similares entre os guarani kaiowá do Estado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.