Criada comissão de apoio às famílias das vítimas de Alcântara

O presidente da Agência Espacial Brasileira (AEB), Luiz Bevilacqua, criou neste domingo, durante sua visita a São José dos Campos, uma "comissão de apoio às famílias das vítimas do VLS". A comissão foi formalizada durante uma reunião com os parentes dos 21 técnicos do Centro Técnico Aeroespacial (CTA), mortos na explosão do foguete, em Alcântara, no Maranhão.Segundo Bevilacqua, o objetivo é dar apoio às famílias na parte jurídica, além de auxiliá-las com o traslado dos corpos, funeral, honrarias e com eventuais processos de indenizações. Bevilacqua também pretende ficar até terça-feira na cidade para discutir o acidente com a direção do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais).Segundo ele, a comissão que investiga o caso tem 30 dias para entregar o primeiro relatório. Ele também garantiu que não há como liberar os corpos antes de terça-feira. De acordo com Bevilacqua, a última vítima foi encontrada pela manhã. "Vamos precisar do apoio das famílias para identificá-los. Durante a reunião de hoje solicitamos a elas toda ajuda possível."A comissão de apoio às famílias terá membros do AEB, CTA, Inpe e da prefeitura. O prefeito de São José, Emanuel Fernandes (PSDB), disse que vai criar uma unidade especifica dentro da prefeitura para atender essas pessoas. O velório dos técnicos deverá ser feito no Ginásio Poliesportivo do CTA.AcidenteBevilacqua evitou falar muito sobre o acidente, mas garantiu que o programa espacial vai continuar. Ele disse que ainda não sabe a repercussão do caso junto à Ucrânia - que estaria firmando um contrato de parceria com o Brasil para o uso da base de Alcântara. "Espero que isso não atrapalhe as negociações." Ele também comentou sobre a falta de recursos na área. Comparou os investimentos feito pelos governos da China e Índia que atingem cerca de US$ 40 milhões por ano. "Nós temos orçados para este ano R$ 35 milhões." Ele reconhece que, com mais recursos, as chances de acidentes seria bem menor. "Poderíamos fazer mais lançamentos e dessa forma ter mais sucesso."O presidente da AEB aproveitou também para falar da "brincadeira" feita quando foi informado do acidente na sexta-feira. Ele participava de uma coletiva e indagado sobre a questão respondeu: "Só se for foguete de São João". "Eu tinha tanta confiança no sucesso dessa operação, que não imaginei ser verdade."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.