Crescimento de Russomanno é homogêneo, aponta diretora do Ibope

Em bate papo online, Márcia Cavallari e Luís Fernando Bovo analisam resultados de nova pesquisa sobre intenção de voto em São Paulo

O Estado de S. Paulo

14 de setembro de 2012 | 14h10

 

SÃO PAULO - O candidato do PRB à Prefeitura de São Paulo, Celso Russomanno, apresenta um crescimento consolidado nas pesquisas de intenção de voto porque tem avanços homogêneos em todos os segmentos do eleitorado paulista, disse nesta sexta-feira, 14, Márcia Cavallari, diretora do Ibope.

 

A pesquisa Ibope/Estado/TV Globo indica também que o candidato do PRB venceria tanto Serra quanto Haddad e um eventual segundo turno. A diretora do Ibope, porém, lembra que a segunda rodada é "uma nova eleição, que começa do zero". "As simulações de segundo turno são feitas no contexto atual. As forças politicas se reacomodam em torno dos dois candidatos que foram para o segundo turno, é uma nova conjuntura", avalia.

 

Marcia fez os comentários durante bate papo online com o editor executivo de Conteúdos Digitais do Grupo Estado, Luís Fernando Bovo, no qual analisou o último estudo Ibope/Estado/TV Globo sobre as intenções de voto em São Paulo. No cenário descrito pela pesquisa Russomanno continua na liderança com 35%. Na edição anterior ele tinha 32%. Seus principais adversários, José Serra (PSDB) e Fernando Haddad (PT), têm 19% e 15%, respectivamente. Ambos oscilaram negativamente um ponto em comparação ao levantamento anterior.

 

"Quando analisamos a pesquisa por dentro, com os vários cruzamentos de regiões, segmentos sociais e demográficos do eleitor, o patamar de 35% se repete praticamente em todos os segmentos do eleitorado", analisa Márcia. Segundo ela, não é possível dizer que o candidato do PRB tem desempenho melhor entre os eleitores de determinado setor social ou de determinada região. "É bastante homogêneo", completa.

 

Para a diretora do Ibope, o fato de Russomanno ter menos tempo de propaganda eleitoral na televisão que os adversários não é um fator chave para a campanha, uma vez que o eleitor dá muito valor à mensagem que é passada pelo candidato. Russomanno já tem um "capital pessoal" conhecido - a bandeira da defesa do consumidor - e isso o aproxima do eleitor.

 

"A população enxerga isso como um capital concreto, não é uma promessa. Russomanno não tem que ficar tentando convencer as pessoas com um discurso, o candidato já tem uma experiência mais concreta que faz com que o voto seja mais consolidado", diz, argumentando que o tema é de interesse do eleitor e faz com que ele perceba Russomanno como um candidato de propostas já consolidadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.