Cresce protesto de índios no oeste de Santa Catarina

Já chega a 200 o número de índios caingangues que protestam no oeste de Santa Catarina, fechando a estrada de Toldo Embu, em Abelardo Luz, onde um fazendeiro foi morto e seis pessoas feitas reféns na madrugada de segunda-feira. A previsão do cacique Albari Santos é que amanhã mais 200 índios vindos de Mangueirinha (PR) e de Chapecó (SC) se juntem ao grupo.Hoje os índios foram desarmado pelas polícias Militar e Federal. Espingardas e revólveres foram apreendidos na casa de um dos índios, que foi detido. "Eles tiraram nossas armas de fogo, mas ainda temos nossos arcos e flechas", avisou Santos.Os caingangues exigem a demarcação de 2 mil hectares de terras que eram de seus antepassados e que foram vendidas a colonos. O processo tramita no Ministério da Justiça, que já avisou que vai cumprir todas as seis etapas necessárias ao reconhecimento de terras indígenas, sem ceder às pressões.O protesto começou na madrugada de segunda-feira, quando o fazendeiro Olices Stefani, presidente do Sindicato dos Empregadores Rurais da cidade, foi morto e outras seis pessoas foram feitas reféns, todos já libertados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.