Dida Sampaio/ Estadão
Dida Sampaio/ Estadão

Cresce pressão por saída de Pazuello do Ministério da Saúde

Ministro pode pedir para deixar o cargo alegando problemas de saúde; os médicos Ludhmilla Abrahão Hajjar e Marcelo Queiroga seriam cotados

Felipe Frazão e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

14 de março de 2021 | 14h39

BRASÍLIA - A pressão pela saída do ministro da Saúde, Eduardo Pazuello, aumentou nos últimos dias. Investigado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e na mira de parlamentares do Centrão que buscam emplacar um nome na pasta, o general tem sua continuidade no governo ameaçada em meio aos recordes sucessivos de mortes por covid-19 no País.  No total, o Brasil tem 277.216 de mortos, segundo dados deste sábado, 13. 

Pazuello pode pedir para deixar o cargo para tratar de problemas de saúde, de acordo com o jornal O Globo. Segundo uma fonte do alto escalão do governo ouvida pelo Estadão, o pedido de saída de Pazuello "faz todo sentido". Em nota neste domingo, 14, o Ministério da Saúde afimrou que "até o momento" o general segue à frente da pasta.

O militar especialista em logística seria substituído por alguém da área de saúde. A cardiologista Ludhmila Abrahão Hajjar  e o presidente da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), Marcelo Queiroga, seriam dois nomes cotados para o cargo.  Auxiliares próximos ao presidente, que acompanham o trabalho da médica, consideram que a escolha seria acertada, caso Ludhmila realmente assuma o comando da Saúde. Ela foi classificada como "preparadíssima" por um deles, ouvido reservadamente.

No sábado à noite, o presidente Jair Bolsonaro se reuniu com ministros da ala militar do governo no Hotel de Trânsito de Oficiais do Exército, onde mora Pazuello. Além de ministro da Saúde, participaram da conversa os ministros Luiz Eduardo Ramos, da Secretaria de Governo, Braga Netto, da Casa Civil, e Fernando Azevedo, da Defesa. Todos são generais do Exército da reserva, à exceção de Pazuello, que permanece no serviço ativo.

A reunião ocorreu de última hora e não constava na agenda do presidente e dos ministros. Eles deixaram o local sem dar declarações à imprensa. Apesar de os ministros palacianos garantirem nos bastidores que o presidente apoia a permanência de Pazuello, aumenta a cada dia a pressão política pela troca. Ele é alvo de investigações no Supremo Tribunal Federal pela crise no sistema de saúde e tem sido cada vez mais contestado no Congresso. Partidos como o Progressistas, aliado com o Centrão a Bolsonaro, cobiçam emplacar um nome na pasta.

O governo trabalha para conseguir o mais rápido possível ampliar a quantidade de vacinas disponíveis para prevenção da covid-19, mas o País bate recordes de mortos e infectados a cada semana, ao passo que Pazuello tem sido obrigado a rever para baixo a previsão de vacinas disponíveis neste mês.

Neste sábado, o ministro manteve reunião com governadores do Nordeste - em sua maioria de oposição a Bolsonaro. Eles anunciaram a compra de 37 milhões de doses da vacina russa Sputnik V contra a covid-19 e fizeram acordo com o governo federal para que as doses passem a ser consideradas parte do Plano Nacional de Imunização.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.