Cresce avaliação positiva do governo Lula, diz Sensus

A avaliação positiva do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva aumentou em maio, de acordo com a última pesquisa CNT-Sensus divulgada hoje. A avaliação positiva do governo subiu de 47,7% em abril para 51,6% em maio, e a avaliação negativa caiu de 9,4% em abril para 7,2% no mês passado. A avaliação regular, por sua vez, permaneceu estável, de 34,8% em abril para 35,7% em maio. A popularidade do presidente Lula também está em alta. Segundo a pesquisa de maio, 78% dos entrevistados aprovam o desempenho pessoal de Lula. Em abril, o índice era de 73,9%. O número de entrevistados que desaprovam Lula caiu de 14,2% para 13%. A pesquisa CNT Sensus ouviu 2 mil pessoas no período de 28 a 30 de maio em 24 estados das cinco regiões brasileiras. Para o presidente da Confederação Nacional dos Transportes, Clésio Andrade, a pesquisa revelou um aumento significativo da confiança das pessoas no presidente Lula. Segundo ele, apesar de alguns indicadores negativos, as pessoas acreditam quase cegamente no presidente. Na avaliação de Clésio, três principais motivos explicam o aumento da confiança: o envio das propostas das reformas com apoio da população, a boa movimentação política do presidente e os primeiros resultados que começam a aparecer do programa Fome Zero. "Todos os indicadores com relação ao presidente melhoraram", afirmou. Ele disse acreditar que o presidente deverá continuar com essa popularidade por muito tempo.Política econômicaO apoio à política econômica do governo Lula da Silva caiu: 57,6% dos entrevistados consideram que a política econômica está sendo conduzida de forma adequada e no rumo certo. Mas na pesquisa anterior, de abril passado, essa avaliação era de 60,9% dos entrevistados. Em contrapartida, aumentou de 23,3% para 25,1% a avaliação de que a política econômica está sendo conduzida de forma inadequada. Para Clésio Andrade, apesar da queda de apoio estar dentro da margem de erro da pesquisa, a redução pode ser considerada um indicador negativo. Ele disse que, apesar da pesquisa mostrar que a população dá crédito ao presidente, as pessoas questionam a política econômica, dentro do contexto da discussão da taxa de juros. Ele acredita que o debate público que tem sido travado sobre as altas taxas de juros, principalmente pelo vice-presidente, José Alencar, pode ter influenciado no aumento desse indicador. Com relação a inflação, a avaliação dos entrevistados também piorou: para 43,2% ela já voltou. Na pesquisa anterior, essa era a opinião de 38,2% dos entrevistados. A avaliação de que a inflação não voltou, mas vai voltar, caiu de 32,3% para 30,9%.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.