Cresce adesão à greve do Judiciário

Enquanto o governo e o Judiciário negociam aumentos nos salários dos juízes, está ganhando corpo a greve dos servidores dos tribunais. Nesta quarta-feira, funcionários do Tribunal de Justiça do Distrito Federal aderiram ao movimento pela aprovação de um plano de cargos e salários da categoria, que representaria aumentos consideráveis nos vencimentos dos servidores.No Supremo Tribunal Federal (STF), a greve atingiu principalmente o setor de autuação dos processos, que é responsável pela classificação das ações.No Tribunal Superior do Trabalho (TST), funcionários da taquigrafia e do sistema de som do plenário não apareceram para trabalhar. Além disso, os gabinetes dos ministros estavam vazios, segundo a assessoria do TST.Esse quadro soma-se à decisão do Judiciário de concordar, a contragosto, com o corte de R$ 111,5 milhões nos investimentos do Poder recomendado pelo Executivo.Apesar disso, os presidentes do STF, Marco Aurélio Mello, e dos tribunais superiores se reunirão nesta quinta-feira com o presidente Fernando Henrique Cardoso para tentar encontrar fontes alternativas de receita que possibilitem a manutenção de alguns investimentos, principalmente em obras.Uma das principais prejudicadas pelo bloqueio dos R$ 111,5 milhões é a Justiça Trabalhista. O presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), Francisco Fausto, alertará que o corte poderá paralisar ou diminuir o ritmo de obras importantes. Entre elas, a nova sede do TST, em Brasília, e dos tribunais regionais do Trabalho (TRTs) de São Paulo, Mato Grosso e Rio Grande do Norte. ?Em muitas dessas obras já se investiram somas de recursos, mas com os cortes e o conseqüente atraso, vamos continuar pagando aluguel em alguns casos?, disse o ministro.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.