Crédito para pessoa física responde por um terço do PAC

Governo já investiu mais da metade dos recursos previstos; restante deve ficar para 2010.

BBC Brasil, BBC

08 Outubro 2009 | 14h15

O crédito para pessoa física, destinado à compra ou reforma da casa própria, foi até agora o principal destino dos recursos já investidos como parte do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC), segundo balanço divulgado nesta quinta-feira, em Brasília.

De 2007 a agosto de 2009, o programa executou R$ 338,4 bilhões. O montante inclui tanto as obras concluídas como aquelas já licitadas e com verba garantida.

Desse total, 33,6% correspondem ao financiamento habitacional, oferecido tanto por bancos públicos e privados. Os dados não incluem as contas do programa Minha Casa Minha Vida, que serão divulgados separadamente.

As obras realizadas por empresas estatais vêm logo atrás, com 31,6%. Já o setor privado tem peso de 24,7%. Os projetos ligados diretamente ao caixa do governo, ou seja, previstos no orçamento, correspondem a 8,33% do total investido.

Obras "complexas"

De acordo com a Casa Civil, a tendência é de que, até a finalização do PAC, haja uma reversão, com as obras executadas por empresas estatais representando a maior parcela dos gastos.

Uma das justificativas para a atual distribuição dos gastos é a de que obras maiores são mais "complexas" e muitas vezes acabam atrasadas por questões ambientais e financeiras, por exemplo. Já o crédito para pessoa física sai "mais rapidamente", segundo uma fonte do governo.

O governo espera chegar ao final de 2010 com um investimento total de R$ 635 bilhões para o PAC.

Desse total, pouco mais da metade (53,6%) foi executada em dois anos, o que deixa para o ano de 2010 - ano de eleições presidenciais - uma grande parcela dos investimentos.

O governo aposta na retomada do crescimento econômico para acelerar as obras e os financiamentos. A expectativa é de que o país cresça entre 4% e 5% em 2010. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.