Alex Silva
Alex Silva

CPTM afirma que afastou funcionários suspeitos de envolvimento com cartel

Companhia de trens disse, em nota, que foi a única que 'efetivamente tomou providência'; ex-presidente e ex-diretor negam participação em atos ilícitos

Ricardo Galhardo, O Estado de S.Paulo

21 de novembro de 2016 | 08h57

A Companhia Paulista de Trens Metropolitanos (CPTM) disse, por meio de nota, que o governo de São Paulo está processando e cobrando ressarcimento dos eventuais prejuízos das empresas acusadas de envolvimento no cartel que fraudou contratos do Metrô e da própria CPTM. 

“Vale esclarecer que, assim que o governo de São Paulo teve conhecimento das denúncias, foi o único que efetivamente tomou providências e abriu grande investigação, com total autonomia, no âmbito da Corregedoria Geral da Administração, que afastou funcionários públicos”, diz a companhia de trens.

Um inquérito policial, concluído no dia 4 de dezembro de 2014, aponta a participação de ex-diretores e ex-presidente da companhia de trens, executivos de multinacionais, lobistas e empresários nos crimes de corrupção ativa e passiva, formação de cartel, lavagem de dinheiro, crime licitatório e evasão de divisas entre 1998 e 2008, durante as gestões do PSDB – Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra. Ao todo foram 33 indiciados; nenhum político.

Também por meio de nota, o ex-presidente da CPTM Mario Bandeira e o ex-diretor José Luiz Lavorente, ambos indiciados, negaram participação em atos ilícitos e defenderam os contratos celebrados durante sua gestão. 

“A sindicância administrativa realizada em 2009, época que já não trabalhávamos na empresa, demonstrou inexistência de irregularidade e de prejuízo à companhia, uma vez que se caracterizou o proveito social e econômico”, disseram eles. 

A Alstom afirmou que não comenta processos em andamento e que “vem colaborando com as autoridades sempre que solicitada e que opera de acordo com um rigoroso código de ética e com todas as leis e regulamentos dos países onde atua”.

O presidente da TTrans, Massimo Giavina-Bianchi, também negou participação nas irregularidades. Segundo ele, em depoimento ao Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), o ex-diretor da Siemens Everton Rheinheimer, que delatou o cartel à Polícia Federal, teria isentado a TTrans. 

“Ele próprio disse que a TTrans é agressiva nos preços”, afirmou o executivo. 

As demais pessoas e empresas citadas no inquérito da PF foram procuradas pelo Estado, mas não foram encontradas ou não quiseram se manifestar sobre o caso. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.