André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

CPMI da JBS aprova sessão secreta para ouvir advogado

Willer Tomaz de Souza apresenta pedido pelo fato de o processo contra ele ser também sigiloso

Thiago Faria, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2017 | 11h03

BRASÍLIA - A CPMI da JBS no Congresso decidiu nesta quarta-feira, 4, colher o depoimento do advogado Willer Tomaz de Souza em sessão secreta. O advogado é suspeito de ter interferido na negociação da delação premiada do empresário Joesley Batista, da JBS, ao intermediar o pagamento de propina para que o procurador Ângelo Goulart Villela vazasse informações de investigações em curso. Ele foi preso no dia 18 de maio, durante a Operação Patmos.

+++ CPI mista da JBS aprova quebra de sigilos de Miller e de executivos da JBS

+++ 'Jamais' BNDES apoiou empresas para fechar concorrentes, diz ex-presidente do banco

 

Em sua delação premiada, Joesley disse que conheceu Villela por meio de Tomaz de Souza, contratado para defender a Eldorado, empresa da holding J&F. O procurador teria recebido pagamentos mensais de R$ 50 mil para beneficiar a empresa.

De acordo com o Ministério Público Federal, Souza usou de sua relação com Villela, integrante da força-tarefa da Greenfield, "para obter informações sigilosas sobre a operação e repassar a seus clientes".

O advogado apresentou pedido para a CPMI para que a sessão fosse secreta pelo fato de o processo contra ele estar em sigilo. O requerimento foi aprovado de forma secreta pelos parlamentares presentes na sessão.

A CPMI tem como objetivo investigar irregularidades envolvendo a empresa de processamento de carnes e o acordo de delação premiada que a empresa firmou com a Procuradoria-Geral da República.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.