CPMF não tem plano B, diz Lula sobre prorrogação

Na Bahia, presidente diz que partidos devem 'deixar disputas para o período eleitoral e trabalhar em conjunto'

CLARISSA OLIVEIRA, Agencia Estado

29 Outubro 2007 | 14h20

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva voltou nesta segunda-feira, 29, a cobrar da oposição que aprove a prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) sob risco de inviabilizar obras previstas no Orçamento em todo País.    Questionado se o governo possui algum tipo de plano B caso a emenda da prorrogação a CPMF deixe de ser aprovada no Senado, Lula afirmou: "Não sei quem foi o louco que inventou um plano B. Se você começa a pensar no plano B significa que não está dando prioridade ao seu plano A".   Veja também:    Entenda a cobrança da CPMF  Lula descarta 3º mandato e diz que prioridade é crescimento Governo faz acordo sobre tramitação da CPMF no Senado  Repasse maior da CPMF a Estados é irreversível, dizem aliados Maioria dos governadores se alinha a Lula em esforço a favor da CPMF  Entenda a emenda 29     Lula, que esteve nesta segunda na Bahia para divulgar uma série de medidas e investimentos no Estado, reafirmou a tese de que os partidos devem deixar as disputas para o período eleitoral e trabalhar em conjunto em benefício do País. "Acho que em alguns momentos temos que colocar o País acima de qualquer divergência", disse. "Se as pessoas acham que podem tirar o dinheiro do orçamento, as pessoas precisam assumir a responsabilidade de tirar também as obras do planejamento", acrescentou. O presidente também retomou o discurso de que não é seu desejo estender a cobrança da CPMF por mais quatro anos, mas sim uma necessidade do País. Lula aproveitou a ocasião para reforçar a idéia de que o Brasil vive uma oportunidade "extraordinária" de consolidar seu crescimento e criar as condições para um desenvolvimento sustentável. De acordo com ele, o governo tem trabalhado para assegurar a persistência desse cenário.   "Acho que Deus finalmente botou a mão em cima do Brasil, que as coisas estão dando certo", declarou. "Acho que este é o momento de todos nós nos dedicarmos a pensar no Brasil para saber o que todos nós queremos daqui a 15, 20 anos", complementou.   Terceiro mandato   Lula também voltou a descartar a possibilidade de um terceiro mandato e reiterou sua posição favorável a um período maior para presidente da República, sem reeleição. Lula considerou o assunto extemporâneo e fora da agenda política do país no momento, apesar das articulações de deputados da base governista para tentar aprovar medidas que podem levar a um terceiro mandato.   "A prioridade agora não é o terceiro mandato. A prioridade é consolidar o crescimento do Brasil internamente e no mundo; consolidar o Brasil como grande nação", disse Lula a jornalistas, em Salvador, onde inaugurou um centro tecnológico vinculado ao Senai.   (Com Reuters)

Mais conteúdo sobre:
CPMF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.