CPMF: governo vai obter votos no Senado, diz Bernardo

O ministro do Planejamento, Orçamento e Gestão, Paulo Bernardo, declarou-se confiante na capacidade do governo de sensibilizar um número suficiente de senadores - 49 - para aprovar a emenda que prorroga a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). "Os senadores são experientes e têm qualificação para tomar uma decisão como esta", afirmou.A uma pergunta se o governo conseguiria os votos da sua própria base aliada no Senado, por meio de concessões de vantagens, Bernardo desconversou: "O que a base tem de comemorar é o bom momento da economia brasileira", disse. E acrescentou: "Eu sei que a oposição, às escondidas, também está contente com isso (vantagens), mas não vai reconhecer em público."Paulo Bernardo lembrou que, caso a emenda da CPMF não seja aprovada, o governo terá de fazer "pequenos ajustes" na economia "ainda não definidos". Segundo o ministro, o governo não anunciará a nova política industrial sem antes ter a certeza da aprovação da emenda que prorroga a CPMF. "Por enquanto, esse pacote é apenas uma quase política industrial. Nós temos de ser prudente", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.