'CPMF é página virada e corte é suficiente', diz Mantega

Ministro da Fazenda diz ainda que o governo não pensa em recriar o tributo do cheque em 2008

Fernando Nakagawa e Fabio Graner, de O Estado de S.Paulo

17 de janeiro de 2008 | 15h29

O ministro da Fazenda, Guido Mantega, rechaçou nesta quinta-feira, 17, a hipótese de que o governo estaria elaborando nova proposta para o retorno da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF).     Veja Também:    Temporão reconsidera a respeito de recriação da CPMF   "A CPMF é uma página virada.Mas é claro que se o Congresso tiver alguma proposta, aí o governo aceita discutir qualquer proposta que venha do Congresso", disse", disse Mantega, que se reuniu com o ministro da Saúde, José Gomes Temporão. O titular da Fazenda também descartou a possibilidade de redução da meta de superávit primário. "Isso não é cogitado. Está fora."   Mantega avaliou também que a proposta do governo de corte de gastos de R$ 20 bilhões como forma de compensar parte da perda de arrecadação com o fim da CPMF é "suficiente para manter as contas equilibradas".   Texto atualizado às 17 horas

Mais conteúdo sobre:
CPMF

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.