CPMF é imposto 'pouco estimado' no Brasil, diz Serra

O governador do Estado de São Paulo, José Serra (PSDB), evitou se posicionar a respeito da prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF), reafirmando que o tema está em debate no Congresso Nacional. "Os governadores não votam, mas a gente tem trocado idéias. Conversamos dentro do PSDB e as bancadas estão encaminhando o que ficou acertado", disse, sem explicar quais eram estes acertos. Após a insistência dos jornalistas a respeito da posição do governador em relação à contribuição, ele afirmou apenas que "a CPMF é um imposto pouco estimado no Brasil".Antes disso, durante o discurso de encerramento do 3º Congresso Internacional de Derivativos e Mercado Financeiro em Campos do Jordão, na região da Serra da Mantiqueira paulista, o presidente do Conselho de Administração da Bolsa de Mercadorias e Futuros (BM&F), Manoel Félix da Cintra Neto, pediu ao governador que ajudasse o País a se livrar da CPMF. O pedido foi feito durante citação dos comentários de ontem da ex-diretora-gerente adjunta do FMI, Anne Krueger, de que a CPMF é um dos piores impostos que existem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.