CPMF: DEM 'não tem nada a perder', critica Lula

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse hoje que será uma "estupidez" dos senadores uma possível derrota do governo no Senado em relação à prorrogação da Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF). Ele voltou a criticar abertamente o Democratas pela oposição, questionando a representatividade do partido no País. Para Lula, sem administrar Estados, o antigo PFL tenta influenciar outras legendas porque "não tem nada a perder".Lula disse que o único governador do DEM, José Roberto Arruda (Distrito Federal), apóia o governo e cobrou responsabilidade do PSDB, que administra seis Estados. Ele se mostrou confiante na continuidade do tributo, mas advertiu: "Se fizerem estupidez, o Brasil pagará o preço.""Temos 26 governadores que querem a CPMF. No PSDB, que tem governos em Estados importantes como São Paulo, os governadores também querem a CPMF. Não podem os partidos políticos ficar reféns do discurso de um partido como o PFL, que não tem nada a perder", disse Lula, insistindo em referir-se à antiga sigla do DEM. "Estou tranqüilo com relação à aprovação da CPMF por uma questão de responsabilidade. Nem o Estado, nem o município, nem o governo federal podem prescindir de R$ 40 bilhões. Agora, se faltar bom senso em alguns senadores, estou convencido de que quem vai ter prejuízo não é nem o governador, nem o presidente da República. É o povo mais pobre desse País", disse.Na tentativa de sensibilizar os contrários à prorrogação, ele acrescentou que boa parte dos recursos da CPMF são usados em aposentadorias, na saúde e no programa Bolsa Família. Ele afirmou que lançará o PAC da Saúde no próximo dia 5, com investimentos de R$ 24 milhões no setor. Para dar um exemplo dos interesses dos governadores envolvidos na questão, Lula disse que o Rio arrecadou R$ 3 bilhões para a CPMF em 2006 e teve R$ 2,5 bilhões de volta. Lula fez os comentários na saída do escritório do arquiteto Oscar Niemeyer, que completa 100 anos no dia 15, em Copacabana, na zona sul do Rio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.