CPMF: Aécio acredita em acordo do PSDB com governo

O governador de Minas Gerais, Aécio Neves (PSDB), disse hoje que ainda acredita na reabertura de negociação entre seu partido e o governo federal em relação à votação da emenda que prorroga a Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) até 2011. Porém, ele ressaltou que essa possibilidade só existe desde que o governo apresente "uma disposição clara de reformular de forma profunda" a proposta apresentada."É preciso que o governo decida se efetivamente quer fazer gestos claros, por exemplo, no aumento dos recursos para a saúde não para o próximo governo, mas já a partir do próximo ano, para que nós possamos discutir a possibilidade de reabrir isso internamente", afirmou o governador mineiro. Embora tenha reiterado que a decisão, "em última instância", está nas mãos da bancada tucana no Senado, Aécio disse que os governadores não deixarão de discutir a questão internamente. Ele observou que não considera "sequer democrático" a bancada "fechar as portas a qualquer proposta". "Estamos numa democracia, onde as pessoas se respeitam e dialogam. Eu acho que até o momento da votação nós devemos estar atentos para ver se há alguma modificação na posição do governo. Se não houver, a tendência do partido é votar contra." O governador reivindica uma proposta que leve ao aumento da parcela de 0,20% para a saúde e à ampliação do repasse para os Estados da Contribuição de Intervenção no Domínio Econômico (Cide), além da redução de Programa de Integração Social (PIS) e Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (Cofins) na área de saneamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.