CPI votará pedidos de quebra de sigilo, diz Serrano

Presidente da comissão rebate declarações do senador Álvaro Dias, de que comissão constituiria 'farsa'

Agência Brasil

18 de março de 2008 | 17h59

A presidente da Comissão Parlamentar Mista de Inquérito dos cartões corporativos , senadora Marisa Serrano, rebateu nesta terça-feira, 18, as declarações do senador Álvaro Dias (PSDB-PR) de que a comissão se constituiria em uma farsa se não quebrasse sigilos.   Veja também:   Entenda a crise dos cartões corporativos   Após leitura, Senado instala CPI mista dos cartões  Acordo dá presidência da CPI mista dos cartões ao PSDB  Virgílio desiste de liminar para quebrar sigilo da Presidência     "Não há farsa e não há tempo para dizer que um clima de desconfiança possa acontecer ou acabar (com a CPI). Tenho certeza de que vamos chegar lá", afirmou. A senadora confirmou para a reunião da semana que vem que irá colocar os requerimentos em votação.   O relator da CPMI, deputado Luiz Sérgio, argumentou, no entanto, que ainda não há elementos suficientes para se pedir a quebra de sigilos de titulares de cartões corporativos.   "Até o momento, realmente não vi nenhuma motivação para quebra de sigilo fiscal, telefônico e bancário, mas a dinâmica da CPI é que vai nos colocar, evidente, diante dessa necessidade ou não. E no momento adequado iremos decidir", disse.   Luiz Sérgio disse que a quebra de sigilo não é o único objetivo da CPMI. "Tão importante quanto investigar é propor um instrumento eficaz tendo como alicerce a transparência dos dados", disse. Ele negou que a CPMI queira evitar a investigação de dados. "Não estamos aqui nem para proteger e nem para perseguir", afirmou.   Amanhã, a CPI mista deve ouvir os ministros do Planejamento, Paulo Bernardo, e da Controladoria-Geral da União (CGU), Jorge Hage.

Tudo o que sabemos sobre:
Cartões corporativosCPI dos cartões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.