CPI votará convocação de mais envolvidos no caso do dossiê

Eles foram citados por assessor na CPI e teriam participado de almoço onde vazador teria revelado documento

26 de maio de 2008 | 14h01

Foram incluídos na pauta da reunião da CPI dos Cartões Corporativos, marcada para as 9h30 desta terça-feira, requerimentos de convocação de Nélio Wanderlei Lacerda e de Marco Pólo Rios Simões. Eles foram citados pelo consultor legislativo do Senado André Eduardo Fernandes, em depoimento prestado na última terça-feira à CPI, como participantes de um almoço no Clube Naval, em Brasília. No almoço, segundo o consultor, o ex-chefe de Controle Interno da Casa Civil José Aparecido Nunes Pires teria revelado que o suposto dossiê com gastos sigilosos do governo Fernando Henrique Cardoso foi feito por ordem da secretária executiva da Casa Civil, Erenice Guerra.   Veja também: Ouça explicações de Aparecido sobre o dossiê  Ouça assessor tucano confirmando 'amizade quente' com Aparecido  Ouça versão de assessor tucano sobre troca de e-mails  Veja o dossiê com dados do ex-presidente FHC  Entenda a crise dos cartões corporativos  Teste seus conhecimentos: quem diz o que sobre o dossiê    Em depoimento que prestou logo depois de André Fernandes, José Aparecido negou à comissão que, durante o almoço, tenha tocado nesse assunto. Disse que apenas discutiu informações publicadas na imprensa sobre o dossiê. Os parlamentares da CPI Mista querem, no entanto, ouvir os dois. Nélio Lacerda é servidor do Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão, e Marco Pólo é funcionário do Tribunal de Contas da União (TCU), cedido ao Senado e lotado na 2ª Vice-Presidência, ocupada pelo senador Alvaro Dias (PSDB-PR).   Também serão examinados pelos senadores e deputados da comissão requerimentos pedindo a acareação entre André Fernandes e José Aparecido. Isso porque os depoimentos dos dois, na semana passada, revelaram divergências. Parlamentares oposicionistas julgam necessária a acareação; já os da base do governo consideram que a acareação nada acrescentaria às investigações.   Outros requerimentos da pauta pedem a convocação de dois funcionários da Casa Civil - o secretário de Administração da Presidência da República, Norberto Temóteo Queiroz, e o assistente de auditoria da Secretaria de Controle Interno da Presidência da República Marcelo Veloso Nascimento. Eles foram mencionados por José Aparecido em depoimento à Polícia Federal como envolvidos na elaboração do dossiê.   Improbidade   O sub-relator de Sistematização da CPI Mista, deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), informou que encaminhará ao Ministério Público nesta segunda-feira às 16 horas, representação contra a ministra-chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff; contra a secretária executiva da Casa Civil, Erenice Guerra, e mais 13 servidores envolvidos na confecção do suposto dossiê com gastos sigilosos do governo Fernando Henrique.   O deputado acredita que a ministra cometeu crime de improbidade administrativa ao não tomar providências para punir subordinados que montaram o dossiê, buscando descobrir apenas os responsáveis pelo vazamento das informações.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.