CPI vai investigar susposta fraude em atestado médico

A CPI mista da Petrobras vai investigar se houve fraude no atestado médico apresentado à comissão pelo diretor da Petrobras, José Carlos Cosenza, para justificar o não-comparecimento dele nesta quarta-feira, 22. No primeiro documento apresentado à CPI, protocolado às 9h30, não havia a informação da doença que motivou a ausência. O atestado assinado pelo médico José Eduardo Couto de Castro descrevia apenas que o paciente teve "intercorrências clínicas" que justificaram o afastamento dele por 48 horas.

RICARDO BRITO E DAIENE CARDOSO, Estadão Conteúdo

22 de outubro de 2014 | 20h46

No início da reunião da CPI, o presidente da comissão, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB), disse que Cosenza teve uma "hipertensão arterial primária". Posteriormente, contudo, no mesmo atestado médico que consta da CPI mista foi acrescentado à caneta a Classificação Internacional de Doenças (CID), padronização de enfermidades feita pela Organização Mundial da Saúde (OMS).

Tudo o que sabemos sobre:
CPipetrobras

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.