CPI vai ao STF para tentar quebrar sigilo de Waldomiro

A Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) da Assembléia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj) que investiga irregularidades na Loteria do Estado (Loterj) deverá recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF) para tentar conseguira quebra de sigilo bancário do ex-subchefe de Assuntos Institucionais da Presidência da República Waldomiro Diniz.Antigo funcionário de confiança do chefe da Casa Civil, José Dirceu, Diniz presidiu a Loterj entre 2001 e 2002 e foi demitido do ministério em fevereiro. A quebra do sigilo bancário foinegada na semana passada pela juíza da 6.ª Vara de Fazenda Pública, Jacqueline Lima Montenegro. Ela argumentou que CPIs estaduais não podem ter acesso a informações bancárias sigilosas. "Estamos investigando se foram cometidos os crimes de corrupção, prevaricação e fraude em processo licitatório", argumenta o presidente da CPI, Alessandro Calazans (PV).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.