CPI rejeita pedido para abrir gastos da Presidência com cartões

O governo usou sua maioria na CPImista dos cartões corporativos e por 11 votos a 7 rejeitounesta terça-feira o pedido por informações dos gastos daPresidência da República, considerados sigilosos. Na véspera, em reunião da coordenação política, opresidente Luiz Inácio Lula da Silva pediu mais uma vez que ogoverno faça prevalecer sua maioria no Congresso,principalmente para que a CPI não atinja a ministra-chefe daCasa Civil, Dilma Rousseff, potencial candidata a sua sucessão. "Nós estamos mantendo a coerência. Requerimentos de dadossigilosos só serão avaliados depois do debate sobre o assunto",disse o deputado Luiz Sérgio (PT-RJ), relator da CPI,referido-se à presença na comissão do general Jorge ArmandoFélix, chefe do Gabinete de Segurança Institucional, previstapara a próxima semana. A oposição ameaça apresentar requerimento na mesa do Senadopara que Dilma compareça à Casa para explicar o suposto dossiêcom gastos sigilosos do ex-presidente Fernando HenriqueCardoso, que teria sido elaborado por sua pasta. A CPI votou na terça-feira 13 requerimentos, nove daoposição e 4 do governo, e foi aprovado um que solicita a listadas pessoas que usaram o cartão corporativo, com exceção dascontas sigilosas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.