CPI quebra sigilos de empresário e da casa do Lago Sul

Por cinco votos a quatro, a CPI dos Bingos aprovou requerimento do senador Álvaro Dias (PSDB-PR), no sentido da quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico do empresário Roberto Carlos Kurzweil. O desempate foi feito pelo presidente da comissão, senador Efraim Moraes (PFL-PB).O senador Tião Viana (AC) disse que os governistas votariam contra, por entender que Kurzweil não é objeto de investigação da CPI. Mas Dias lembrou que o empresário é sócio de empresários de bingo, objeto de investigação da CPI, e não apenas dono do carro que teria transportado, de Campinas para São Paulo, uma suposta doação de US$ 3 milhões do governo de Cuba para a campanha presidencial de Lula.A CPI aprovou, ainda, a quebra de sigilos bancários de outras pessoas ligadas a jogos e, também, o da ONG Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Social, que, em 2003, teria recebido dinheiro da multinacional Gtech. CasaA Comissão também aprovou requerimento do seu relator, senador Garibaldi Alves (PMDB-RN), para que seja quebrado o sigilo telefônico, referente aos anos de 2003 e 2004, da casa do Lago Sul em Brasília onde se reuniam os integrantes da chamada "República de Ribeirão Preto" e que, segundo o caseiro Francenildo dos Santos Costa, era também freqüentada pelo ex-ministro da Fazenda Antonio Palocci.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.