CPI pedirá nova perícia de equipamentos da Abin

CPI dos Grampos vai solicitar uma perícia da Unicamp em todos os equipamentos da Agência

Eugênia Lopes, de O Estado de S. Paulo,

18 de setembro de 2008 | 20h01

A pedido da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) dos Grampos, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, vai levantar todos os equipamentos comprados nos últimos quatro anos para a Agência Brasileira de Inteligência (Abin) por meio da Comissão de Compras do Exército em Washington (EUA). Será com base nessa relação que a CPI dos Grampos vai solicitar uma perícia da Unicamp em todos os equipamentos da Abin para verificar se a agência fez escutas telefônicas.   Veja Também: Grampos: Entenda a crise Ouça trecho do depoimento de Jobim na CPI  Blog: acompanhe os principais momentos do depoimento  Depoimento de Jobim à CPI reforça disputa com general Félix Equipamentos da Abin não fazem grampos, revela laudo da PF   "Acho que tem mais coisa por vir", disse o presidente da comissão de inquérito, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), ao comentar o resultado da perícia feita pelo Instituto de Criminalística da Polícia Federal em 16 aparelhos da Abin. "Acho temerário fazer qualquer juízo porque o laudo da Polícia Federal não é conclusivo e acho prudente aguardar a perícia que a CPI dos Grampos pretende fazer no equipamento da agência", disse o senador Heráclito Fortes (DEM-PI), presidente da Comissão Mista de Controle das Atividades de Inteligência do Congresso.   No depoimento à CPI dos Grampos, o ministro Jobim deixou no ar que os equipamentos periciados pela Polícia Federal não foram todos aqueles que foram comprados pela Abin. "Uma coisa é a perícia no equipamento outra coisa é verificar o que foi comprado. Tem que ver se o que foi comprado está sendo usado", disse o ministro. Nem ele nem o ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Jorge Félix, apresentaram até agora o laudo feito por dois engenheiros do Exército nos equipamentos da Abin. Jobim alegou que não recebeu nenhum laudo do Exército.   Nova Perícia   O presidente da CPI da Câmara, deputado Marcelo Itagiba (PMDB-RJ), disse que não descarta a possibilidade de a CPI mandar fazer uma nova perícia nos equipamentos.   "A CPI é um órgão independente e isento, um órgão do Congresso Nacional que está fazendo averiguação dessa questão da interceptação telefônica no país. Então a melhor maneira de fazer a averiguação disso tudo é através da perícia da própria comissão parlamentar de inquérito", disse.   A nova perícia nos equipamentos da Abin deverá ser realizada por técnicos do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações da Universidade de Campinas (Unicamp).   Conclusões   Itagiba disse que ainda é cedo para tirar conclusões sobre o laudo divulgado nesta quinta-feira, 18, pela Polícia Federal da perícia nos equipamentos adquiridos pelo Exército para a Agência Brasileira de Inteligência (Abin).   "Eu não digo nem que isenta nem que culpa a Abin, até porque não cabe, nesse momento em que as investigações ainda estão em prosseguimento, eximir alguém do que quer que seja. Acho que as investigações têm que ser aprofundadas e os outros equipamentos periciados", disse.   Itagiba informou que está aguardando um novo laudo dos equipamentos, que deve ser enviado à CPI pelo Exército.   De acordo com o presidente da CPI, é preocupante a possibilidade da Abin possuir aparelhos que podem realizar escutas ambientais.   "O laudo trás informações importantes de que a Abin possui equipamentos capazes de fazer escutas ambientes, o que ela não deveria possuir. Ela não é polícia e, portanto, não pode ter esse tipo de equipamento".   Itagiba disse que no momento não há como isentar a Abin do grampo da conversa do presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Gilmar Mendes, com o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), só após a conclusão de todas as análises técnicas nos equipamentos da Abin.   (Com Agência Brasil)

Tudo o que sabemos sobre:
CPI dos gramposNelson Jobim

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.