CPI Mista da Petrobras começa a ouvir Graça Foster

A CPI Mista da Petrobras começou nesta quarta-feira a ouvir a presidente da estatal, Maria das Graças Foster. Apesar de ser a quarta vez que ela comparece ao Congresso para falar de denúncias que envolvem a estatal, Graça inaugura a fase de depoimentos da comissão formada por deputados e senadores. Iniciada com quase meia hora de atraso, esta é a quarta reunião da CPI Mista, que ainda não divulgou o roteiro de trabalho durante o período de convenções partidárias e Copa do Mundo.

RICARDO BRITO E EDUARDO RODRIGUES, Agência Estado

11 Junho 2014 | 14h57

Numa exposição inicial de 20 minutos, Graça Foster deve falar, entre outros assuntos, sobre a compra pela Petrobras da refinaria de Pasadena, no Texas (EUA). Em nota ao Estado em março, a presidente Dilma Rousseff disse que não fecharia a compra de metade da refinaria em 2006 porque se baseou em um resumo incompleto. Na época, Dilma presidia o Conselho de Administração da Petrobras.

Em depoimento à CPI da Petrobras do Senado, a presidente da estatal já afirmou que a compra da refinaria não foi um bom negócio. "À luz da situação atual é fato que hoje não foi um bom negócio", disse ela, no dia 26 de maio. Graça já reconheceu que as perdas contábeis com a operação chegam a US$ 530 milhões. A oposição, que abandou a comissão exclusiva do Senado, tem centrado seus esforços na CPI Mista, que conta com a participação de deputados federais da base aliada, tido como menos fiéis ao governo Dilma.

Mais conteúdo sobre:
CPMI PETROBRAS CONGRESSO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.