DIDA SAMPAIO/ESTADÃO
DIDA SAMPAIO/ESTADÃO

CPI do MEC: Randolfe Rodrigues espera ter 29 assinaturas até quarta

Senador Randolfe Rodrigues afirmou que o ministro Ciro Nogueira é 'sustentáculo' do governo; oposição ao governo Bolsonaro precisa colher ao menos 27 assinaturas para abrir CPI sobre as denúncias que atingem o MEC

Davi Medeiros, O Estado de S.Paulo

11 de abril de 2022 | 09h23

O senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) disse nesta segunda-feira, 11, que espera alcançar 29 assinaturas no Senado para abrir uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigue denúncias de corrupção no Ministério da Educação. Em entrevista à Rádio Eldorado, o parlamentar afirmou que sua pretensão é alcançar essa quantidade até a quarta-feira desta semana. 

O mínimo necessário para a abertura do comitê de investigação, 27 subscrições, já havia sido alcançado na última sexta-feira, 8. Contudo, o quórum caiu após o recuo de três senadores: Oriovisto Guimarães (Podemos-PR), Styvenson Valentim (Podemos-AC) e Weverton Rocha (PDT-MA). 

“Talvez não tenhamos a margem que esperávamos, mas temos a pretensão de chegar pelo menos a 28 ou 29 assinaturas”, disse. Um dos parlamentares que devem ingressar na lista de apoios nos próximos dias é Marcelo Castro (MDB-PI).

Randolfe atribuiu a retirada das assinaturas a uma “força-tarefa” coordenada pelo ministro-chefe da Casa Civil, Ciro Nogueira. “O ministro está atuando com os mecanismos de força que ele tem, com o orçamento secreto, com (as emendas) RP9, mobilizando todas as estruturas do governo Bolsonaro para impedir que a investigação se concretize.” 

Apesar das denúncias de corrupção envolvendo Nogueira, como o uso de recursos do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE) para atender a aliados do Centrão, o senador não vê risco à permanência do ministro no governo. “Ao contrário, porque o governo é a partir dele, ele é o sustentáculo”, disse. Randolfe acrescentou considerar que, com o aval da Casa Civil, o Ministério da Educação tornou-se “um balcão de negócios para atender aos interesses do Centrão e do mais baixo clero da corrupção”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.