CPI já indicava ligação de Dantas com 'Valerioduto', diz relator

Osmar Serraglio afirma, porém, que CPI não descobriu elementos que envolvessem Celso Pitta e Naji Nahas

Marcelo de Moraes, da Agência Estado,

08 de julho de 2008 | 11h34

Relator da CPI do Mensalão no Congresso, o deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR) disse que ficou surpreso com a prisão de Daniel Dantas, sócio fundador do Grupo Opportunity, durante a Operação Satiagraha, deflagrada nesta terça-feira, 8, pela Polícia Federal. Serraglio afirmou à Agência Estado que no relatório final da CPI já incluiu elementos que indicavam supostas irregularidades cometidas por Dantas dentro do chamado esquema do Valerioduto - repasses de recursos a parlamentares e integrantes do governo e de empresas privadas em troca da liberação de recursos federais - montado pelo empresário Marcos Valério de Souza.   Veja também:  Os 40 do mensalão As ações da Polícia Federal no governo Lula Daniel Dantas, pivô da maior disputa societária do Brasil Defesa diz que Dantas foi preso por vingança Mandados de prisão atingem familiares e funcionários de Dantas   "Não esperava que ele fosse preso pela sua importância, mas o Ministério Público e a Polícia Federal são distantes desses embates políticos que muitas vezes envolveram Daniel Dantas. Para eles, é doa a quem doer, mesmo que seja uma pessoa como Daniel Dantas", disse. "Na CPI, já tínhamos verificado vários elementos que indicavam seu envolvimento com o valerioduto. O Ministério Público deu seqüência a essas investigações e esse resultado está aparecendo agora", afirmou o deputado, atualmente primeiro secretário da Câmara.   Serraglio disse que nas investigações da CPI não descobriu nenhum elemento que envolvesse a participação do ex-prefeito de São Paulo Celso Pitta e do empresário Naji Nahas, também presos nesta terça pela mesma operação. "Os elementos que levaram a essas prisões devem ter sido produzidos nos desdobramentos das investigações feitas pela CPI. Não imagino o que provocou suas prisões. No nosso trabalho, não apareceu nada sobre eles", conta.   Na avaliação do deputado, ainda existem outros desdobramentos importantes da CPI do Mensalão envolvendo outras supostas irregularidades e que ainda não apareceram. "Acho que a próxima ponta a ser descoberta nessas investigações envolverá os fundos de pensão. Vimos muitos indícios de problemas nessa área durante nossos trabalhos na CPI", lembra.   Para Serraglio, o fato de a Operação Satiagraha ter produzido efeitos mais de dois anos depois da conclusão da CPI do Mensalão prova que o Poder Legislativo "não produziu uma pizza". "Essa operação contraria aquela impressão de pizza e tem muito mais ainda para acontecer nessa área. É importante que haja essa seqüência tanto tempo depois, porque mostra que os processos estão sendo feitos e que as irregularidades estão sendo averiguadas", diz.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.