CPI investigará tentativa de fraude no transporte do DF

Cachoeira é suspeito de tentar fraudar uma licitação para bilhetagem eletrônica do transporte público do DF

RICARDO BRITO, Agência Estado

14 de junho de 2012 | 16h20

BRASÍLIA - A CPI do Cachoeira decidiu incluir entre seus focos de investigação a suspeita de que o grupo de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, tentou fraudar um processo de licitação para a bilhetagem eletrônica do sistema de transporte público do Distrito Federal. A decisão foi tomada nesta quinta-feira, 14, após a comissão aprovar o pedido para o recebimento de denúncia criminal sobre essa suspeita.

Veja também:

link CPI aprova quebra de sigilos dos governadores de GO e DF

link CPI quer que Brindeiro esclareça repasse de contador de Cachoeira

link CPI convoca mulher de Carlinhos Cachoeira

especial Entenda a CPI do Cachoeira

A denúncia foi oferecida pelo Ministério Público do Distrito Federal no mês passado, na qual são citados Cachoeira e outras sete pessoas. Os envolvidos foram denunciados pelos crimes de formação de quadrilha e tráfico de influência. A ação é um dos desdobramentos da Operação Saint-Michel, feita em conjunto pelo MP e polícia do DF, em abril, e que levou à prisão Cláudio Abreu, o ex-diretor da Delta Construções no Centro-Oeste - solto por decisão da Justiça no último sábado. Cláudio Abreu, que esteve na CPI no dia 30 de maio, permaneceu em silêncio durante o depoimento.

A fraude ao processo não chegou a ser concretizada, uma vez que o governo local desistiu de levar adiante a licitação de bilhetagem por ter escolhido outras prioridades de investimento na área de transportes. O governador do DF, Agnelo Queiroz, rebateu nesta quarta na CPI qualquer suspeita de irregularidade no processo. "Tentou, mas não conseguiu, porque o DFTrans (responsável pela bilhetagem) nem sequer realizou a licitação", afirmou o governador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.