CPI entrega amanhã relatório sobre Maluf ao MP

O procurador-geral do Ministério Público do Estado de São Paulo, José Geraldo Brito Figueiredo, recebe amanhã o relatório final da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) que investigou o Tribunal de Contas do Município. Entre outras providências, o relatório da CPI pede ao Ministério Público que abra investigações para apurar superfaturamento em cinco grandes obras da gestão do ex-prefeito Paulo Maluf (PPB). O relatório denuncia também superfaturamento no Túnel Ayrton Senna, já investigado pelo Ministério Público e que resultou na condenação de Maluf em primeira instância, sob acusação de desviar R$ 105 milhões.O relatório da CPI contabiliza superfaturamento de cerca de R$ 432 milhões no conjunto das grandes obras. As obras sob suspeita de superfaturamento, além do Túnel Ayrton Senna, são as das avenidas Água Espraiada e Jacú Pêssego, as do túnel do Rio Pinheiros, do Mini-Anel Viário e do Boulevard da avenida Jucelino Kubitschek.Os documentos que serão levados ao Ministério Público atestam que a Água Espraiada foi licitada ao preço inicial de R$ 84 milhões e, durante o período de 93 a 99, consumiu mais de R$ 856 milhões dos cofres públicos, majoração que supera 1.000%. A Jacú Pêssego, licitada em R$ 54 milhões, foi majorada em 613% e teve custo final de R$ 346 milhões. O Mini-Anel Viário, que deveria custar R$ 95 milhões, custou R$ 410 milhões, majorado segundo os cálculos da CPI em 430%. O Boulevard, que não foi concluído, deveria custar R$ 60 milhões, e nele foram gastos, entre 93 e 99 R$ 41 milhões. Os documentos estimam que a majoração das obras realizadas atingiu 67%.Os documentos serão entregues ao procurador-geral pelos vereadores petistas José Eduardo Martins, presidente da Câmara, Vicente Cândido, relator da CPI, e Gilson Barreto. Junto com o relatório serão entregues contratos da Empresa Municipal de Urbanização (Emurb), de São Paulo, com as empreiteiras e outros documentos recolhidos pela CPI.MP já analisou 20% das ligações de Maluf O promotor Maurício Lemos Porto Alves, da Cidadania, informou no final de tarde hoje que o Ministério Público Estadual já analisou cerca de 20% das 250 folhas com a relação de todas as ligações telefônicas feitas, desde 1994, pelo ex-prefeito Paulo Maluf e por familiares dele, acusados de manterem ativos financeiros de R$ 200 milhões no paraíso fiscal da ilha de Jersey, no Canal da Mancha.O promotor acredita que até o início da próxima semana todos os documentos já terão sido analisados. "Os documentos são sigilosos e ainda não podemos nos pronunciar sobre eles", disse Alves. As listas de ligações fazem parte da quebra de sigilo do ex-prefeito, determinada, dia 20, pelo juiz-corregedor do Departamento de Inquéritos Policiais de São Paulo, Maurício Lemos Porto Alves.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.