Reuters
Reuters

CPI do HSBC aprova quebra de sigilo de investigados no cartel de trens em São Paulo

Comissão vai ter acesso aos sigilos bancários e fiscal de 16 brasileiros que mantinham contas secretas em agência do banco na Suíça, incluindo dois ex-diretores do metrô de São Paulo

Isadora Peron, O Estado de S. Paulo

30 de junho de 2015 | 22h36

Brasília - A CPI do HSBC aprovou nesta terça-feira, 30, a quebra de sigilo fiscal e bancário de 16 brasileiros suspeitos de manter contas irregulares no banco com sede na Suíça. Entre eles, estão dois ex-diretores do Metrô de São Paulo investigados no caso do cartel de trens, Paulo Celso Mano Moreira e Ademir Venâncio de Araújo.

Ambos são acusados de improbidade administrativa pelo Ministério Público do Estado e teriam aberto contas no banco suíço na época em que estavam na diretoria da estatal.

O colegiado, porém, rejeitou três requerimentos, como o que pedia a quebra de sigilo de Dario de Queiroz Galvão Filho, um dos empreiteiros presos na Operação Lava Jato. O empresário Benjamin Steinbruch, da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), também foi poupado.

A aprovação da quebra de sigilo gerou debate na CPI. Senadores questionaram o uso do artificio, já que o colegiado ainda não teve acesso aos dados oficiais da investigação e se baseia em informações divulgadas pela imprensa. O senador Ciro Nogueira (PP-PI), por exemplo, defendeu que a decisão era "uma temeridade e uma precipitação" e que só tinha como objetivo criar um fato político para a CPI.

Diante da polêmica, os senadores optaram por não apreciar 27 requerimentos para que CPI pudesse pedir mais esclarecimentos antes de decidir pela quebra de sigilo.

Tudo o que sabemos sobre:
SwissleaksCPI HSBCSenado

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.